A Ford, à semelhança de muitos outros fabricantes, também já decidiu que os eléctricos a bateria são o futuro mas, como sabe quem lidera no capítulo da tecnologia dos automóveis eléctricos, tratou de adquirir um Model 3. Para estudar em detalhe e copiar tudo aquilo que seja possível, sem se expor a eventuais processos.

É normal que os fabricantes adquiram carros da concorrência, que considerem ser os melhores em cada área específica. E, quando a conversa incide sobre veículos eléctricos a bateria, é natural que os modelos que servem de bitola sejam os Tesla, pois até ver, são os melhores em potência, autonomia e sistemas de condução semiautónoma.

Mas se é normal que os concorrentes comprem modelos da concorrência, é menos vulgar que sejam apanhados, como aconteceu à Mercedes o Model X e, agora, à Ford com o Model 3, com a marca americana a seguir as pisadas da BMW, também ela proprietária de um Model 3.

Como é que este “estudo” da Ford para “inovar” se soube? Graças a um indivíduo de nome Mark que, de visita a Dearborn, achou estranha a curiosidade dos técnicos em torno de um Model 3. E a prova que o Tesla não estava nas instalações da Ford por mero acaso é que as câmaras de vídeo foram tapadas, o que tanto podia servir para impedir que a Tesla não conseguisse ver por onde andava o modelo, como realizar testes mais aprofundados ao sistema Autopilot.

Depois de fotografar o Model 3 em frente ao Connected Car Innovation Center, Mark enviou as fotos para a Electrek, que as tornou públicas, para óbvio embaraço da Ford. Resta agora esperar para ver se, quando chegar ao mercado, lá para 2020, o sistema de condução semiautónoma da Ford estará ao nível do que a Tesla desenvolveu, que é como quem diz, se a cópia é melhor do que o original.