Festivais de Música

Jazz em Agosto será dedicado na íntegra a John Zorn

O universo criativo de John Zorn na música experimental e de vanguarda serão o centro do festival Jazz em Agosto 2018, na Fundação Calouste Gulbenkian.

SIGI TISCHLER/EPA

O músico norte-americano John Zorn e o seu universo criativo na música experimental e de vanguarda serão o centro do festival Jazz em Agosto 2018, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, foi anunciado esta sexta-feira.

O festival cumpre a 35.ª edição de 27 de julho a 5 de agosto e, pela primeira vez, dedicará toda a programação a um só músico. John Zorn estará em Lisboa para algumas atuações inéditas, e o repertório dele será interpretado por outros músicos e formações. “Propus fazer uma edição dedicada ao mundo atual dele, que pudesse retratar todas as músicas em que ele no fundo investe”, afirmou o programador Rui Neves à agência Lusa.

Descrevendo John Zorn, 64 anos, como “um homem da Renascença que se interessa por tudo”, “uma figura algo mítica que vem do século XX”, Rui Neves explicou que a programação foi feita a quatro mãos com ele, e grande parte dos músicos convidados para esta edição já passaram anteriormente pelo festival.

Saxofonista, produtor, arranjador, editor, John Zorn fará a 27 de julho o concerto de abertura, no emblemático anfiteatro ao ar livre da fundação, numa atuação inédita com dois músicos com quem já trabalhou: o baterista Milford Graves e o guitarrista Thurston Moore.

No dia seguinte, volta ao palco com o quarteto Masada, acompanhado por Dave Douglas (trompete), Greg Cohen (contrabaixo) e Joey Baron (bateria) e, a 29 de julho, apresenta-se no grande auditório a interpretar órgão de tubos, acompanhado por Ikue Mori (laptop).

Neste “festim dedicado a John Zorn”, como descreve a organização, no total serão feitos 18 concertos, com “vários dos melhores músicos da cena nova-iorquina”, e serão exibidos cinco filmes, entre os quais “John Zorn (2016-2018)”, que Mathieu Amalric apresentará em Lisboa.

Marc Ribot, Craig Taborn, Ches Smith, Julain Lage, Trevor Dunn, Mary Halvorson Quartet, Asmodeus e John Medeski Trio são alguns dos nomes que se juntam ao cartaz para interpretar composições de John Zorn. Rui Neves escolheu ainda dois grupos portugueses “que partilham com John Zorn o mesmo universo musical”: The Rite of Trio e Slow is Possible.

“John Zorn tem tido uma projeção em Portugal, nos últimos vinte anos, e criou também um público que conhece a sua obra. Todas as pessoas que gostam do John Zorn conhecem a ‘label’ que ele começou em 1995, a Tzadik, e este reflexo da obra atual de John Zorn também pretende chamar a atenção sobre a ‘label’ dele”, explicou o programador. Toda a programação do 35.º Jazz em Agosto estará disponível no site da Gulbenkian dedicado ao festival.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)