O presidente da Frelimo e chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, afirmou esta sexta-feira que as eleições autárquicas de outubro e as gerais de 2019 serão um grande desafio e vão acontecer numa conjuntura adversa para o partido no poder.

“Estas eleições representam um grande desafio, mas também uma oportunidade ímpar para a Frelimo demonstrar a sua capacidade de vencer grandes desafios”, declarou Filipe Nyusi, falando na abertura da II Sessão Ordinária do Comité Central (CC) da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo).

O líder do partido no poder assinalou que a derrota na eleição intercalar no município de Nampula, norte do país, na última semana, vai colocar à prova a capacidade de a Frelimo superar obstáculos.

“O resultado da eleição intercalar coloca à prova a capacidade de a Frelimo enfrentar e vencer os próximos pleitos eleitorais”, frisou o presidente do partido no poder.

A organização dos gabinetes eleitorais “poderá mudar”, introduzindo-se “novas formas de gestão e de trabalho”. “Precisamos de uma estrutura eleitoral flexível e moderna à altura dos novos desafios”, acrescentou Filipe Nyusi.

A II Sessão Ordinária do CC, a decorrer até domingo na escola do partido, na Matola (subúrbios de Maputo) vai debater a estratégia da Frelimo para as eleições autárquicas de outubro e a ação do Governo, bem como a situação política, económica e social do país.