CGTP

CGTP diz que Governo propor flexibilidade para salários abaixo da lei é “voltar à selva”

O secretário-geral da CGTP defendeu que o apelo do Governo a uma flexibilização laboral que permita salários abaixo dos mínimos legais é um raciocínio ao estilo lei da selva.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) defendeu este sábado, em Santa Maria da Feira, que o apelo do Governo a uma flexibilização laboral que permita salários abaixo dos mínimos legais é um raciocínio ao estilo lei da selva.

Num encontro com operários e sindicalistas da indústria corticeira, Arménio Carlos referia-se assim à posição expressa pelo ministro do Trabalho, Vieira da Silva, nas negociações com os parceiros sociais sobre a nova legislação laboral.”Como pode o ministro do Trabalho dizer que é necessário garantir que na negociação haja flexibilidade para os patrões eventualmente apresentarem propostas com valores inferiores aos estabelecidos pela lei geral? Pelo raciocínio dele, acabavam-se as leis e voltava-se novamente à selva”, declarou o líder da intersindical nacional.

Não aceitamos isso porque o princípio do tratamento mais favorável tem que existir: a lei geral estabelece os mínimos e a contratação coletiva, sempre que possível, estabelece condições mais favoráveis”, insiste.

Para Arménio Carlos, as propostas apresentadas pelo Governo em concertação social ficam, aliás, “muito aquém daquilo que seria desejável e necessário”. Mais do que isso, afirmou, “contradizem as próprias conclusões a que o Livro Verde das Relações Laborais chegou, quando constatou que as alterações introduzidas anteriormente na legislação laboral desequilibraram as relações de trabalho, reduziram os rendimentos dos trabalhadores, desregularam os horários e puseram em causa a evolução da contratação coletiva”.

Em vez de “corrigir os erros do passado”, acusou Arménio Carlos, o Ministério do Trabalho limitou-se a apresentar “propostas mínimas” de combate ao vínculo precário, introduzindo “pequenas limitações ao período de duração dos contrato a prazo” e persistindo na “admissão de que a precariedade continua a ser um instrumento de trabalho para as entidades patronais, quando deve ser a exceção”.

Se o líder da CGTP insiste na valorização dos vínculos laborais estáveis é porque, sustentou, “neste momento a estabilidade do emprego tem uma relação direta com a estabilidade familiar e com a organização da vida pessoal, mas não só: tem-no também com a própria natalidade e demografia”.

Feitas as contas, o que o Governo propôs ao nível da precariedade “nem de longe nem de perto corresponde ao que seria desejável e é possível”, considerou Arménio Carlos, para quem as alterações anunciadas apenas “procuram mexer em alguma coisa para salvar o essencial do modelo de baixos salários e trabalho precário” que vem vigorando no país.

A concretizarem-se as mudanças sugeridas pelo Estado, as consequências seriam “inimagináveis não só para os trabalhadores do presente, mas particularmente para os do futuro, já que as gerações mais jovens correriam o risco de daqui a alguns anos terem situações de proteção social e até pensões de reforma incomparavelmente inferiores às de hoje”, afirmou.

Já no que se refere à contratação coletiva, Arménio Carlos também a considera “bloqueada”, a avaliar pelos dados de 2017, quando “apenas 820.000 trabalhadores num universo de 3,5 milhões por conta de outrem” foram abrangidos por atualizações salariais.

“Num quadro de crescimento económico, o que temos é uma estagnação dos salários, o que não dá consequência ao processo que se iniciou de reposição de rendimentos e direitos”, argumenta o secretário-geral da CGTP. “Esse processo precisava estar mais evoluído nesta fase e é inaceitável que o Governo continue a manter a norma da caducidade – que é precisamente a que permite às associações patronais extinguirem os contratos coletivos em que se inserem os direitos fundamentais dos trabalhadores”, conclui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
100

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)