Rádio Observador

Cuidados Continuados

Pedrógão Grande. União das Misericórdias satisfeita com recuperação

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas manifestou a sua satisfação com o trabalho feito pelas Misericórdias nas zonas afetadas pelos incêndios de junho do ano passado.

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) manifestou este sábado a sua satisfação com o trabalho feito pelas Misericórdias nas zonas afetadas pelos incêndios de junho do ano passado e adiantou que as contas já foram auditadas.

Estou muito satisfeito. As Misericórdias foram muito para além do que lhes era pedido. Ainda não acabámos o nosso trabalho. Todas as casas estão em obra, mesmo aquelas que nos foram entregues em dezembro [oito]. Temos muitos bens guardados para equipar essas casas que faremos chegar às famílias”, afirmou à agência Lusa o presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel Lemos.

O responsável falava após a reunião do Conselho Nacional da União das Misericórdias Portuguesas que decorreu em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, onde o fogo de 2017 fez 66 mortos. “Viemos a Pedrógão Grande em solidariedade para com a tragédia que aqui aconteceu e trouxemos aqui o Conselho Nacional das Misericórdias, porque nós não nos esquecemos. Para nós, isto não é uma coisa passageira e não nos esquecemos desta problemática”, disse.

A UMP já concluiu a reconstrução de 26 casas afetadas pelos incêndios ocorridos em junho do ano passado na região Centro, estando ainda em execução outras 22 habitações. Atualmente, a União tem ainda 500 mil euros para investir. No total, a parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, em articulação com o Fundo Revita (criado na sequência destes fogos), já permitiu investir 1,2 milhões de euros dos donativos angariados, que ultrapassaram os dois milhões de euros, na reabilitação e na reconstrução total e parcial de habitações permanentes.

Quanto à verba dos 500 mil euros, vamos concluir as intervenções e o que sobrar, era bom que sobrasse. Naturalmente que iremos apoiar também as vítimas dos incêndios de outubro”, frisou.
O presidente da UMP explicou que na reunião do Conselho Nacional foram apresentadas as contas do que tem sido a atividade. “Demos conta do relatório, de quanto se recebeu e quanto se gastou. Isso é público. Os nossos auditores auditaram tudo o que recebemos e o que gastamos. Estamos todos muito tranquilos, muito confortáveis”, sustentou.

Face à polémica que inicialmente se levantou com a gestão dos donativos por parte da UMP, Manuel Lemos explicou que o dinheiro não podia ser gasto só para obedecer às pressões. “Somos um país pobre, não podemos andar a gastar o dinheiro à toa”, concluiu.

Após a reunião do Conselho Nacional, os participantes visitaram em Pedrógão Grande quatro habitações já recuperadas e outras três em Castanheira de Pera.

Cuidados continuados deviam ter 15 mil camas em 2016, mas só existem oito mil

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas disse também que das 15 mil camas de cuidados continuados que deveriam existir em 2016, atualmente há pouco mais de oito mil e adiantou que há um problema de sustentabilidade.

Há um problema óbvio de subsistência e de sustentabilidade das unidades de longa duração e há muitas misericórdias que só têm isso. Temos lá muitas pessoas que são casos sociais que não deviam de lá estar (…)”, disse à agência Lusa, Manuel Lemos.

O presidente da UMP falava em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, onde decorreu a reunião do Conselho Nacional, após o qual os intervenientes visitaram algumas das habitações recuperadas que tinham sido afetadas pelos incêndios do verão passado na região. “Temos casos paliativos muito pesados (…). A rede [cuidados continuados] é muito pequena, devia ter 15 mil camas em 2016 e tem pouco mais de oito mil em 2018. Cada vez vão casos mais pesados para a longa duração”, sublinhou.

Manuel Lemos adiantou que a UMP está em “diálogo aberto” com o Governo e adiantou que este não é um problema das misericórdias, mas sim do país.

Devo dizer que o ministro da Saúde está muito atento. O país tem que fazer opções. Se as pessoas não ficarem connosco, a 80 ou a 60 euros/dia, vão ficar num hospital a 300 euros/dia ou então vão morrer para as suas casas. Não há volta a dar. Vamos ter que encontrar uma solução equilibrada”, sustentou.

O presidente da UMP defende o estabelecimento de um plano coerente de alargamento da rede e explicou que o problema não passa por construir mais unidades, mas sim mantê-las. “É um problema estrutural, um pilar fundamental do Serviço Nacional de Saúde (SNS). As misericórdias vão ter que aumentar a rede para, mesmo aqueles que ideologicamente suportam o SNS, perceberem que têm que fazer uma opção: ou a ideologia ou as pessoas. Provavelmente vão escolher as pessoas. É nisso que eu acredito”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)