CGTP

CGTP afasta “entendimentos falsos” e reivindica lei mais favorável para trabalhadores

O secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses voltou a defender a introdução na lei do princípio do tratamento mais favorável para trabalhadores.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) afastou este domingo “entendimentos falsos” sobre a posição desta estrutura referente à legislação laboral e voltou a defender a introdução na lei do princípio do tratamento mais favorável para trabalhadores.

A CGTP não aceita que a contratação coletiva estabeleça normas inferiores àquilo que está estabelecido no código de trabalho e exige a reposição do tratamento mais favorável, que quer dizer que a contratação coletiva, além de estabelecer as normas gerais da legislação, deve contemplar também normas melhores ou superiores do que a lei geral estabelece como mínimos”, vincou Arménio Carlos, em declarações à agência Lusa.

Falando para esclarecer uma posição manifestada no sábado – e que foi alvo de críticas este domingo pelo secretário-geral da União Geral de Trabalhadores (UGT), Carlos Silva, e pelo secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita -, Arménio Carlos pediu para que “não se subvertam coisas e muito menos se façam entendimentos falsos”.

No sábado, num encontro com operários e sindicalistas da indústria corticeira, em Santa Maria da Feira, Arménio Carlos criticou o que considerou ser um apelo do Governo a uma flexibilização laboral que permita salários abaixo dos mínimos legais.

Como pode o ministro do Trabalho dizer que é necessário garantir que na negociação haja flexibilidade para os patrões eventualmente apresentarem propostas com valores inferiores aos estabelecidos pela lei geral? Pelo raciocínio dele, acabavam-se as leis e voltava-se novamente à selva”, declarou então, referindo-se a uma posição que, segundo a CGTP, tem vindo a ser expressa pelo ministro do Trabalho, Vieira da Silva.

Este domingo, Carlos Silva falou sobre o assunto em Lisboa, no congresso do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública. “Não vou defender o Governo, vou defender a verdade, e nunca em momento algum – durante a reunião da Concertação Social, antes ou depois – veio o ministro [Vieira da Silva] ou os seus dois secretários de Estado afirmar, como veio dizer o secretário-geral da CGTP, que o Governo propôs em Concertação Social uma flexibilização da negociação coletiva para poder negociar salários abaixo do código de trabalho”, afirmou.

Esta questão também foi abordada no congresso pelo secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, que indicou que as novas propostas do executivo sobre a lei laboral “não incluem matérias que não poderiam nunca incluir, […] como baixar salários em relação à lei”, situação que “está amplamente consagrada como princípio no código de trabalho”.

No esclarecimento feito este domingo à Lusa, Arménio Carlos notou que “o código de trabalho não determina salários”. Ainda assim, e no âmbito das negociações dos parceiros sociais sobre a contratação coletiva, podem ser definidas normas, razão pela qual a CGTP defende “a reintrodução do princípio do tratamento mais favorável” na lei.

Se, porventura, na contratação coletiva se admitir normas inferiores àquilo que a lei geral estabelece, então entramos na lei da selva, em que há leis que estabelecem os mínimos, mas depois, abaixo dessas leis, podem estabelecer-se novos mínimos”, reforçou.

“E é isso que a CGTP defende que deve ser revisto e revogado na discussão da legislação do trabalho, bem como a norma da caducidade”, adiantou Arménio Carlos, lamentando que tenha existido “uma subversão” do que disse.

Atualmente, os parceiros sociais estão em negociações sobre um pacote de medidas que alteram a lei laboral, incluindo questões como a redução da duração máxima dos contratos a prazo de três para dois anos, a criação de uma taxa de rotatividade progressiva entre 1% e 2% para as empresas que abusem dos contratos a termo certo ou o fim do banco de horas individual, entre outras propostas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)