Nove pessoas foram detidas durante os protestos em que a polícia já se viu obrigada a intervir, nas ruas de Barcelona contra a detenção do ex-presidente do Governo Regional da Catalunha Carles Puigdemont e a prisão de cinco políticos independentistas.

Há ainda registo de 89 pessoas feridas com ferimentos leves — entre os quais 13 agentes da polícia — na sequência dos protestos, avança o El País. Do número total de feridos, a maioria aconteceu em Barcelona.

Milhares de manifestantes estão concentrados em frente à delegação da Comissão Europeia em Barcelona e outros milhares junto ao gabinete do representante do Governo espanhol na Catalunha. Os manifestantes exigem a libertação do ex-presidente Puigdemont e dos cincos políticos independentistas que foram presos na sexta-feira por ordem do Supremo Tribunal.

Os protestos, organizados pelos Comités de Defesa da República (CDR) e pela Assembleia Nacional da Catalunha (ANC), deveriam juntar-se em frente à delegação da Comissão Europeia em Barcelona e terminar em frente ao consulado da Alemanha, localizado em Port Olimpic, mas o trajeto foi separado.

Os elementos que participam no protesto convocado pelos Comités de Defesa da República estão agora concentrados junto ao gabinete do representante do Governo espanhol na Catalunha, onde a polícia antimotim já teve que intervir, impedindo o avanço da multidão.  Nos protestos, os manifestantes exibem cartazes e gritam “Puigdemont, nosso presidente”, além de apelarem a uma nova greve geral e pedirem a libertação de “presos políticos”.

A polícia alemã deteve este domingo Puigdemont junto à fronteira com a Dinamarca. A detenção acontece na sequência de um mandado de detenção europeu e internacional por parte do Supremo Tribunal espanhol, que na sexta-feira decidiu também aplicar prisão efetiva sem fiança a cinco políticos independentistas catalães, acusados de delito de rebelião, no quadro da tentativa de criação de uma república independente na Catalunha.

Puigdemont vai ser ouvido em tribunal e considera pedir asilo na Alemanha