O número de casos confirmados de sarampo em Portugal aumentou para 70, informou este domingo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O último relatório, divulgado no dia anterior, dava conta de menos dois casos. A maioria continua a ter ligação com ao Hospital de Santo António, no Porto. O atual surto de sarampo infetou já mais do dobro das pessoas do que em 2017 .

Segundo a nova atualização do surto de sarampo em Portugal, dos 70 casos confirmados, 24 estarão já curados. Há ainda 29 em investigação, sendo que nenhum dos doentes se encontra internado. A DGS frisou que todos os casos estão a ser investigados laboratorialmente e que “está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação”.

“O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes até quatero dias depois do aparecimento da erupção cutânea”, alertou a DGS, aconselhando aqueles que tenham “sintomas sugestivos” ou que estejam em contacto com a doença a ligar para 808 24 24 24.

Atual surto de sarampo infetou já mais do dobro das pessoas do que em 2017

O atual surto de sarampo em Portugal atingiu mais do dobro das pessoas do que os dois surtos de 2017 e fez com que, num ano, se registasse uma centena de casos num país considerado zona livre da doença. Entre 2017 e 2018 Portugal quintuplicou o número de casos de sarampo que tinha registado em quase dez anos. Entre 2006 e 2014 houve apenas 19 casos da doença, quase todos importados.

Aliás, em 2016, Portugal recebeu da Organização Mundial da Saúde um diploma que oficializava o país como estando livre de sarampo, até porque os poucos casos registados nos últimos anos tinham sido contraídos noutros países.

Com a vacinação gratuita das crianças, a partir de 1974, e sobretudo com a introdução de uma segunda dose de vacina em 1990, o sarampo acabou por se tornar quase numa doença esquecida ou invisível ao longo dos anos. Mas entre 1987 e 1989 tinham sido notificados em Portugal 12 mil casos, contabilizando-se 30 mortes, porque as coberturas vacinais obtidas não foram suficientes para impedir a epidemia, de acordo com os dados oficiais.

O sarampo é, aliás uma das infeções virais mais contagiosas e, apesar de habitualmente ser benigna, pode ser grave e levar à morte, segundo as autoridades de saúde. Ao nível de 50 países da região europeia considerada pela OMS, o sarampo provocou 35 mortes só ano passado, incluindo a registada em Portugal. Ao todo foram cerca de 20 mil os infetados. Também um balanço do Centro Europeu de Controlo de doenças dá conta de 14 mil casos de sarampo em 30 países em 2017, triplicando o número de casos da doença relativamente a 2016. Todos os doentes são adultos e apenas 14% não estavam vacinados e mais 9% tinham o esquema vacinal incompleto.

A Direção-Geral da Saúde recorda que o vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes e até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea.

Os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 e 12 dias depois de a pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal.

Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e cinco anos. Os profissionais de saúde devem ter as duas doses da vacina independentemente da sua idade. Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença, garantem as autoridades de saúde.