O líder da Renamo, principal partido da oposição moçambicana, acusou esta quarta-feira esquadrões de morte ligados à Frelimo, no poder, de estarem associados ao rapto e agressão ao jornalista Ericino de Salema, exigindo a responsabilização dos autores do crime. “Faz parte dos esquadrões de morte, apelo ao Presidente da República [Filipe Nyusi], de boa fé, para que faça alguma coisa, porque são elementos ligados ao partido Frelimo ou à maquina do Governo” da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), afirmou Afonso Dhlakama, em declarações, por telefone, ao canal privado STV, a partir de Gorongosa, onde se encontra refugiado há mais de um ano.

Para Afonso Dhlakama, o rapto e a agressão a Ericino de Salema e os actos de violência contra figuras críticas ao Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) devem-se à falta de separação de poderes no país. “Se as instituições funcionassem neste país, esta onda [de crimes] estaria a reduzir, porque as pessoas seriam perseguidas judicialmente”, declarou o líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo). Por seu turno, o presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) considerou macabro e cobarde o rapto e agressão ao jornalista, exigindo a responsabilização dos autores do crime.

“É um acto macabro e de cobardia, que viola os princípios de cidadania e de direitos, numa altura em que o país precisa de atrair investimentos para sair do buraco em que nos encontramos”, afirmou Daviz Simango, em conferência de imprensa. Daviz Simango considerou que o ataque a jornalistas e a analistas políticos cria revolta e indignação na sociedade e constituem uma tentativa de amputar os direitos e liberdades fundamentais O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, condenou esta quarta-feira o rapto e a agressão a Ericino de Salema, na terça-feira, manifestando confiança no esclarecimento do caso pelas autoridades policiais.

Falando na Assembleia da República (AR), durante a sessão de perguntas dos deputados ao Governo, Carlos Agostinho do Rosário declarou que o executivo repudia o atentado à vida e integridade física dos cidadãos. “Queremos reiterar aqui e agora a nossa inteira confiança nas autoridades policiais no seu trabalho de combate ao crime no encaminhamento dos seus autores à justiça”, afirmou o primeiro-ministro moçambicano. Ericino de Salema foi encontrado gravemente ferido no distrito de Marracuene, a oito quilómetros do centro de Maputo, algumas horas após ter sido raptado por desconhecidos.

Ericino de Salema foi encontrado por populares abandonado no passeio da estrada circular de Maputo em Marracuene, província de Maputo, e depois transportado para o Hospital Privado de Maputo, onde se encontra internado. A vítima apresentava sinais de agressões que terão sido infligidas com objetos contundentes e está consciente, de acordo com testemunhos relatados pelo canal privado STV. Ericino de Salema, comentador do “Pontos de Vista”, um programa de análise política muito visto em Moçambique, foi raptado à saída do SNJ, onde se deslocou para almoçar no restaurante do local.