Rádio Observador

Moçambique

Dhlakama acusa esquadrões de morte da Frelimo de rapto e agressão a jornalista

O líder da Renamo acusou esquadrões de morte ligados à Frelimo de estarem associados ao rapto e agressão ao jornalista Ericino de Salema, exigindo a responsabilização dos autores do crime.

ANDRÉ CATUEIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O líder da Renamo, principal partido da oposição moçambicana, acusou esta quarta-feira esquadrões de morte ligados à Frelimo, no poder, de estarem associados ao rapto e agressão ao jornalista Ericino de Salema, exigindo a responsabilização dos autores do crime. “Faz parte dos esquadrões de morte, apelo ao Presidente da República [Filipe Nyusi], de boa fé, para que faça alguma coisa, porque são elementos ligados ao partido Frelimo ou à maquina do Governo” da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), afirmou Afonso Dhlakama, em declarações, por telefone, ao canal privado STV, a partir de Gorongosa, onde se encontra refugiado há mais de um ano.

Para Afonso Dhlakama, o rapto e a agressão a Ericino de Salema e os actos de violência contra figuras críticas ao Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) devem-se à falta de separação de poderes no país. “Se as instituições funcionassem neste país, esta onda [de crimes] estaria a reduzir, porque as pessoas seriam perseguidas judicialmente”, declarou o líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo). Por seu turno, o presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) considerou macabro e cobarde o rapto e agressão ao jornalista, exigindo a responsabilização dos autores do crime.

“É um acto macabro e de cobardia, que viola os princípios de cidadania e de direitos, numa altura em que o país precisa de atrair investimentos para sair do buraco em que nos encontramos”, afirmou Daviz Simango, em conferência de imprensa. Daviz Simango considerou que o ataque a jornalistas e a analistas políticos cria revolta e indignação na sociedade e constituem uma tentativa de amputar os direitos e liberdades fundamentais O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, condenou esta quarta-feira o rapto e a agressão a Ericino de Salema, na terça-feira, manifestando confiança no esclarecimento do caso pelas autoridades policiais.

Falando na Assembleia da República (AR), durante a sessão de perguntas dos deputados ao Governo, Carlos Agostinho do Rosário declarou que o executivo repudia o atentado à vida e integridade física dos cidadãos. “Queremos reiterar aqui e agora a nossa inteira confiança nas autoridades policiais no seu trabalho de combate ao crime no encaminhamento dos seus autores à justiça”, afirmou o primeiro-ministro moçambicano. Ericino de Salema foi encontrado gravemente ferido no distrito de Marracuene, a oito quilómetros do centro de Maputo, algumas horas após ter sido raptado por desconhecidos.

Ericino de Salema foi encontrado por populares abandonado no passeio da estrada circular de Maputo em Marracuene, província de Maputo, e depois transportado para o Hospital Privado de Maputo, onde se encontra internado. A vítima apresentava sinais de agressões que terão sido infligidas com objetos contundentes e está consciente, de acordo com testemunhos relatados pelo canal privado STV. Ericino de Salema, comentador do “Pontos de Vista”, um programa de análise política muito visto em Moçambique, foi raptado à saída do SNJ, onde se deslocou para almoçar no restaurante do local.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)