Nikolas Cruz, o adolescente que matou 17 colegas numa escola em Parkland, na Flórida, tem recebido na prisão grandes quantidades de correspondência de “fãs”.

O Washington Post conta, através de informações divulgadas pelo South Florida Sun Sentinel, que o jovem atirador tem recebido várias fotografias de conteúdo sexual, postais de apoio, cartas de encorajamento e muitas outras manifestações escritas. O jornal local South Florida Sun Sentinel, que teve acesso a cópias destas mensagens, revela que a maior parte destas mensagens são escritas por “raparigas adolescentes, perfeitamente normais” de vários cantos dos Estados Unidos.

Howard Finkelstein, o advogado de Cruz, diz que está “assustado” com todos estas “pervertidas” demonstrações de afeto que já se acumulam “aos montes”. “Nunca vi nada assim”, explica. “Estou preocupado.”

Estás numa posição complicada, Nik, e isso é algo que eu percebo porque já passei por isso”, lê-se numa das cartas. “Se precisares de alguma coisa, eu posso enviar-te por correio… Só tens de pedir. Se precisares de falar… Eu vou ouvir”, diz outra.

A 15 de março, uma pessoa que se identificou como uma rapariga de 18 anos do estado do Texas disse: “Quando vi uma fotografia tua na televisão, alguma coisa me fez sentir atraída por ti.” Esta mensagem chegou à prisão num envelope decorado com corações e caras sorridentes. “Os teus olhos são tão bonitos e as sardas que tens na cara tornam-te muito giro”, escreveram ainda. Outra pessoa que se apresenta como sendo uma mulher enviou a Cruz nove fotografias de teor erótico.

“Nos meus 40 anos de advocacia, nunca vi tantas cartas a serem enviadas a um arguido”, explica Finkelstein. “Toda a gente recebe umas quantas, eventualmente, mas nunca nada deste género”, acrescentou. Alguma desta correspondência é enviada por homens.

A prisão de Broward County prontamente explicou que abre a maior parte da correspondência enviada aos reclusos e que qualquer coisa de conteúdo sensível é devolvida ao remetente. “Lemos-lhe algumas mensagens mais religiosas que desejavam que a sua alma entrasse em contacto com Deus, mas não o fizemos (nem iremos fazer) com mais nenhuma carta”, disse Finkelstein.

Outro fenómeno bizarro são os 800 dólares que apareceram na conta de Cruz e que, ao que tudo indica, foram enviados por fãs. O The Sentinel vai mais longe ao afirmar que até existe uma página secreta no Facebook onde qualquer um pode expressar o seu apoio e afeição pelo presumível atirador.

O fenómeno destes “groupies”  de assassinos em série é bastante comum. Alguns dos exemplos mais gritantes deste fenómeno envolveram criminosos como Charles Manson, Jeffrey Dahmer e Ted Bundy.