Rádio Observador

Egito

Egipto. Al-Sisi eleito com 90% dos votos. Taxa de participação inferior a 50%

Os resultados oficiais da eleição no Egipto sabem-se segunda-feira, mas a imprensa estatal dá conta de que Al-Sisi obteve 92% dos votos. De 60 milhões de eleitores, só 23 milhões foram às urnas.

MOHAMED HOSSAM/EPA

O Presidente do Egipto, Abdel Fattah Al-Sisi, venceu com 90% dos votos as eleições presidenciais desta semana, mas a taxa de participação é inferior a 50%, segundo as primeiras estimativas publicadas esta quinta-feira pela imprensa estatal.

Segundo o diário Al-Ahram, Al-Sisi obteve 92% dos votos e cerca de 23 milhões de pessoas participaram nas eleições, de entre cerca de 60 milhões de eleitores. O diário estatal Akhbar al-Yaoum e a agência oficial Mena referem números semelhantes.

As eleições decorreram entre segunda e quarta-feira e Al-Sisi tinha a reeleição assegurada após afastar os principais adversários. A taxa de participação era o principal desafio para o Presidente.

Na quarta-feira, em conferência de imprensa, o porta-voz da Autoridade nacional das eleições, Mahmoud el-Cherif, referiu-se a uma “afluência massiva perante as assembleias de voto”.

Nas eleições de 2014, que decorreram entre 26 e 28 de maio, Al-Sisi, 63 anos, obteve 96,91% dos votos contra Hamdeen Sabahi, com uma taxa de participação de 47,5% segundo os números oficiais, muito contestados pelas oposições que se referiu a uma “farsa”.

Agora, Al-Sisi apenas teve como adversário Moussa Mostafa Moussa, 65 anos, chefe do minúsculo partido liberal Al Ghad, e um fervoroso adepto do regime. Outros potenciais candidatos, com mais credibilidade, ou foram detidos por violação da lei ou desencorajados a concorrer após forte pressão das autoridades.

Os apelos ao voto dos cerca de 60 milhões de potenciais eleitores foram permanentes, mas historicamente a participação nas eleições é muito baixa no Egito, com exceção das presidenciais de 2012, que elegeram o pró-islamita Mohamed Morsi, e as únicas que decorreram em liberdade e com garantias democráticas, com uma participação de 51,85% na segunda volta.

O ex-Presidente foi afastado num golpe militar em julho de 2013, fomentado por Al-Sisi, que depois assumiu o poder. Neste contexto, o regime já receava uma elevada taxa de abstenção, podendo descredibilizar as eleições.

Os resultados oficiais só devem ser divulgados na segunda-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)