Rádio Observador

Espionagem

Espionagem é “ameaça real e concreta” contra interesses nacionais

O relatório anual da Segurança Interna concluiu que a espionagem é uma "ameaça real e concreta" contra os interesses nacionais. O documento alerta para os ataques cibernéticos.

SASCHA STEINBACH/EPA

O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) alerta para “a ameaça real e concreta” contra a segurança e os interesses nacionais que representa a espionagem desenvolvida por métodos tradicionais e através de ciberataques.

A espionagem desenvolvida por métodos tradicionais e através de ciberataques, com o intuito de aceder a informação classificada e sensível de natureza política, militar económica ou científico-tecnológica, representa uma ameaça real e concreta contra a segurança e os interesses nacionais”, refere o RASI de 2017, entregue esta quinta-feira na Assembleia da República.

Segundo o mesmo documento, nos domínios político e militar, as ações de espionagem visam aceder “à informação que possa antecipar ou condicionar as posições do Estado português em assuntos de relevância internacional, comprometer os interesses portugueses” na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), assim como das organizações de que Portugal é estado-membro, em especial a NATO e a União Europeia.

O RASI dá também conta de um agravamento do risco de espionagem económica nas áreas da ciência, tecnologia e economia, devido ao aumento da concorrência entre países para a captação de mercados de produtos e serviços, de matérias-primas e de recursos energéticos, de conhecimentos tecnológicos e de inovação e de investimentos direto estrangeiro.

Em determinadas situações, interesses estrangeiros procuram recolher informação económica relevante que permite às suas empresas explorar, em proveito próprio, o acesso privilegiado de Portugal a diversos mercados”, indica o relatório, destacando que a atividade de contraespionagem incidiu sobre “a presença e ações clandestinas desenvolvidas por oficiais de informações de serviços estrangeiros colocados no território nacional, com saliência para as operações de recrutamento e gestão de fontes humanas”.

Nesse sentido, alerta para os ataques cibernéticos com a assinatura de grupos estrangeiros, “para exfiltração de informação e dados”, realidade que ameaça a segurança das infraestruturas críticas, de organismos governamentais e de entidades privadas portuguesas.

Para os serviços de informação, a cooperação com os serviços congéneres estrangeiros e com entidades nacionais, no domínio da ciberespionagem, tem sido fundamental para a identificação e caraterização das campanhas de ataques, bem como para a identificação dos alvos nacionais e com vista ao reforço das suas capacidades de proteção.

Segundo o RASI, a criminalidade violenta e grave diminuiu 8,7% no ano passado, em relação a 2016, enquanto os crimes gerais aumentaram 3,3%.

O relatório reúne os indicadores de criminalidade registados pela Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública, Polícia Judiciária, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Polícia Marítima, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, Autoridade Tributária e Aduaneira e Polícia Judiciária Militar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)