Um homem está em fuga depois de ter tentado atropelar um grupo de soldados em Varces-Allières-et-Risset, perto Grenoble, em França, esta quinta-feira de manhã, pelas 9 horas.

Tentativa de atropelamento terá acontecido junto a um quartel onde o grupo de militares estava a fazer exercício e não há registo de feridos. Os soldados terão evitado o acidente por se terem refugiado numa espécie de fossa, assim que se aperceberam da mudança de direção de um carro que começou a circular contra eles. Apesar de não sofrerem qualquer ferimento, estão “chocados” com o ato e foram, num primeiro momento, “insultados verbalmente”.

A polícia anunciou, através do Twitter, que há um suspeito detido e que estão a proceder a um interrogatório para apurar se era realmente o homem que conduzia o veículo. Também uma mulher, a companheira do principal suspeito, foi detida em Ville Neuve d’Échirolles.

A hipótese de que o suspeito que está a ser interrogado há já algumas horas seja o autor da tentativa de atropelamento parece ganhar forma. O homem é bem conhecido pela justiça por ter cometido vários crimes. O Dauphine Libéré escreve que as pesquisas feitas sobre o seu passado e sobre a sua personalidade não mostram qualquer tipo de radicalização. Relativamente à jovem que também foi detida, é a proprietária do carro e seria a namorada do principal suspeito.

No início da investigação, o procurador da República de Grenoble, Jean-Yves Coquillat, disse, em declarações ao mesmo jornal era “necessário mantermo-nos cautelosos no que diz respeito às motivações do autor”. O procurador confirmou ainda que o condutor passou várias vezes pelos soldados e que os insultou.

A prefeitura de L’Isère, que confirmou o ataque, classificou-o como um “ato odioso”.

Estiveram em marcha várias patrulhas na região para tentar descobrir a viatura, seguindo os dados testemunhados pelos soldados, e o homem que a conduzia.

O presidente da câmara de Varces-Allières-et-Risset, Jean-Luc Corbet, anunciou também que, como medida de precaução, as crianças estão impedidas de sair das escolas, creches e colégios naquela zona. “Tudo está fechado e a situação irá manter-se até nova ordem”, explicou o autarca à France Info. “As crianças estão recolhidas em locais seguros”.

Recorde-se que na passada sexta-feira, Radouane Lakdim, um marroquino de 25 anos, atacou um regimento de paraquedistas e um supermercado no sul de França. Lakdim deslocou-se até ao quartel do 3ª regimento de paraquedistas do Exército francês, em Carcassonne, onde, de acordo com o procurador de Paris, François Molins, tentou atropelar alguns oficiais que voltavam de uma corrida e atacou quatro militares.

O que já se sabe sobre o ataque terrorista em França