A Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau (CAM) anunciou esta quinta-feira lucros de 354 milhões de patacas (cerca de 35,55 milhões euros), em 2017, mais 52 milhões de patacas do que no ano anterior.

Os resultados da CAM, aprovados durante a assembleia anual de acionistas, mostram que a sociedade obteve lucros pelo sexto ano consecutivo, indicou a empresa em comunicado. Em 2017, a CAM obteve “receitas de 1,4 mil milhões de patacas (cerca de 138 milhões de euros), mais 5,5% que em 2016”, afirmou o presidente da assembleia-geral, Charles Lo Keng Chio.

A CAM traçou como principais objetivos para 2018 o transporte de “7,38 milhões de passageiros, 60 mil movimentos de aviões, 39 mil toneladas de carga e mais de três mil jatos executivos”. Segundo a CAM, a abertura da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, prevista para este ano, será fundamental para o cumprimento das metas propostas.

A CAM é a responsável pelo desenvolvimento, pelo acordo financeiro e pela expansão e promoção do mercado do Aeroporto Internacional de Macau e, a partir de 1 de abril, vai-se substituir à empresa Administração de Aeroportos Ltda (ADA) como responsável pela operação diária do aeroporto.

Segundo a CAM todos os trabalhadores da ADA — empresa filial do Aeroporto Internacional de Macau — vão ser integrados na sociedade. O Aeroporto Internacional de Macau recebeu, ao longo do ano passado, 7,16 milhões de passageiros, um valor recorde em 22 anos de operação. Macau vai passar a ter uma ligação aérea regular à Europa, a Moscovo, a partir de 9 de maio.