O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou hoje Israel de ter cometido um “ataque desumano”, numa referência aos confrontos na sexta-feira entre o exército israelita e manifestantes palestinianos, que causaram 16 mortos entre os palestinianos.

“Condeno firmemente a administração israelita por este ataque desumano”, afirmou, num discurso transmitido pela televisão.

Defensora da causa palestiniana, Ancara já tinha denunciado na sexta-feira o “uso desproporcionado da força” por Israel.

Dezenas de milhares de palestinianos, incluindo mulheres e crianças, convergiram na sexta-feira para a barreira fronteiriça que separa a Faixa de Gaza de Israel, no protesto “A grande marcha do regresso”.

A jornada, na qual morreram 16 palestinianos e ficaram feridos mais de 1.400, é considerada a mais mortífera desde 2014, ano da última guerra entre Israel e o movimento radical islâmico da Palestina Hamas.

Os Estados Unidos manifestaram-se “profundamente entristecidos” com os acontecimentos de sexta-feira. A ONU e a União Europeia exigiram uma investigação independente.