Espaço

Estação espacial chinesa reentra na atmosfera a 26 mil km por hora

141

Um laboratório espacial chinês desativado deverá reentrar este domingo na atmosfera terrestre a uma velocidade superior a 26 mil quilómetros por hora antes de se desintegrar numa bola de fogo.

FRAUNHOFER FHR / HANDOUT/EPA

Um laboratório espacial chinês desativado deverá reentrar este domingo na atmosfera terrestre a uma velocidade superior a 26 mil quilómetros por hora antes de se desintegrar numa bola de fogo, anunciaram hoje autoridades aeroespaciais chinesas.

A queda na terra deste laboratório espacial chinês, designado Tiangong-1 (“Palácio Celeste 1”), não deverá provocar danos e oferecerá um espetáculo “esplêndido” similar a uma chuva de meteoritos, garantem as autoridades chinesas.

Este domingo, a Agência Espacial Europeia (ESA) estima que a queda do módulo espacial ocorra entre a meia noite de 1 de abril (1h00 em Lisboa) e as 4h00 de domingo, dia 2 de abril (5h00 em Lisboa). Num comunicado divulgado no sábado, explicou que a queda do Tiangong-1 desacelerou devido a uma meteorologia espacial mais tranquila.

Uma torrente de partículas solares deveria ter aumentado a densidade nas altas capas da atmosfera e acelerar a queda do laboratório espacial. Mas isso não ocorreu, reconhece a ESA, avançando que também persiste a incerteza sobre o lugar onde poderão cair os eventuais restos do módulo.

“As pessoas não precisam se preocupar”, garante o Departamento de Engenharia Espacial Tripulada da China (CMSEO) em sua conta na rede social WeChat.

Naves espaciais deste tipo “não caem na Terra violentamente como nos filmes de ficção científica”, garante o CMSEO.A probabilidade de uma pessoa ser atingida por um objeto espacial de mais de 200 gramas é de uma em 700 milhões, garante a agência espacial chinesa.

O “Palácio Celeste 1” foi colocado em órbita em setembro de 2011 e estava programado para fazer uma entrada controlada na atmosfera. Porém, deixou de funcionar em março de 2016, gerando preocupação por uma eventual queda descontrolada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Duas doses de espinhas para levar

Miguel Herédia

Num horizonte já não muito distante, é possível que as espinhas venham a ter mais valor do que o peixe que comemos, sobretudo por via das indústrias farmacêutica e nutracêutica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)