O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, antecipou um encontro difícil na segunda-feira em casa do Belenenses, em jogo da 28.ª jornada da I Liga, e criticou o clima de suspeição que envolve o futebol português.

O treinador dos ‘dragões diz que “muitas coisas têm corrido mal” no primeiro ano do videoárbitro (VAR) no futebol português e considera o clima de suspeição atual “insuportável”.

“Muitas coisas têm corrido mal neste primeiro ano. O VAR tem que ser uma ajuda, não pode complicar. O VAR vem complicar quando devia servir para descomplicar. Tem sido o contrário. Cria alguma indefinição no resultado e no juízo final do árbitro”, começou por dizer Sérgio Conceição.

O treinador ‘azul e branco debruçou-se depois sobre o clima de suspeição: “O futebol precisa de ser falado dentro das quatro linhas, dentro daquilo que os jogadores fazem. Nós também cometemos erros. Eu até gosto que me critiquem por uma má opção, por uma substituição mal feita. Já estamos a entrar na melhor coisa que existe nesta indústria do futebol, que são os jogadores. Fico triste e desiludido, porque fui jogador durante 20 anos e sei qual é o sentimento que há no balneário. É muito mau ver situações como a do Vagner no fim dos jogos, se o jogador não acerta é porque estava comprado. Isto começa a ser insuportável.”

Sérgio Conceição abordou ainda o facto de partir para este jogo com o Belenenses, no segundo lugar, ainda que à condição, e aproveitou para lançar algumas críticas ao calendário.

“Tirando as provas da europa, acho que isso [jogar depois dos adversários diretos] foi uma constante no campeonato. Umas vezes compreensível, outras nem tanto. Até ao fim do campeonato, salvo erro, vamos jogar sempre depois dos adversários. Se me perguntarem porquê, não sei. Se houve reuniões? Houve”, referiu o técnico.

Sérgio Conceição falou sobre as datas dos jogos com Benfica e Belenenses para a Liga e Sporting para a Taça: “Estou a lembrar-me do segundo clássico [Benfica], e não me estou a esquecer do primeiro, que é o clássico com o Belenenses. Mas, no clássico que vamos ter com o Benfica, passadas 72 horas, estamos a jogar com o Sporting a meia-final da Taça. Poderia esse jogo ser no sábado com o Benfica? Poderia. Poderíamos jogar na quinta-feira? Poderíamos. É uma questão de bom senso, que as pessoas metam a mão na consciência, não só no que se passa à volta do futebol, que isto também faz parte, é importante, decisivo numa fase final da época.”

Depois da derrota do Sporting este sábado em casa do Sporting de Braga (1-0), Sérgio Conceição não coloca os ‘leões’ fora da corrida ao título, mas reconheceu, no entanto, que, com apenas seis jornadas para o final, as expectativas da equipa de Jorge Jesus ficaram mais reduzidas, embora ressalve que “nada é impossível”.

“Ontem, foi um daqueles sábados em que se fica pregado à televisão com tantos jogos. Depois de ver uma equipa ganhar por 3-0 e perder por 4-3, acho que tudo é possível no futebol. Claro que, a cada ponto que se perde nesta fase final do campeonato, torna-se mais difícil, mas não há impossíveis, nada é impossível”, disse.

Em relação ao jogo com o Belenenses, Sérgio Conceição espera um embate complicado, mas disse que não se vai desviar do foco e que este passa pela conquista dos três pontos e da manutenção do primeiro lugar na prova.

O FC Porto, segundo classificado com 71 pontos, menos um do que o Benfica e também menos um jogo, defronta na segunda-feira, no estádio do Restelo, o Belenenses, 12.º com 29, em jogo agendado para as 20:00.