A administração da Infraestruturas de Portugal foi eleita para mais um mandato de três anos, mantendo-se no essencial a equipa liderada por António Laranjo até 2020.

A eleição em assembleia geral para o segundo mandato realizou-se na quinta-feira passada (dia 29 de março), três dias antes de avançar a greve dos trabalhadores da empresa. No entanto, esta nomeação só foi comunicada esta segunda-feira pela empresa. A única alteração nos órgãos sociais é a entrada de uma nova administradora, Alexandra Nogueira Barbosa, que seria já quadro da empresa. O conselho de administração passa assim a ser composto por seis elementos, incluindo dois vice-presidentes e três vogais.

A Infraestruturas de Portugal é a principal empresa pública em termos de financiamento e investimento, sendo responsável pela gestão das redes ferroviária e rodoviária do Estado. Os trabalhadores da IP estão a realizar uma greve esta segunda-feira que está a ter impacto relevante na circulação ferroviária, sobretudo nos comboios de longo curso, porque não foram decretados serviços mínimos. A principal reivindicação por trás desta paralisação, convocada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, é a negociação de aumentos salariais.

Uma centena de comboios suprimidos a nível nacional e 62% a circular até às 8h00, diz a CP