Um advogado holandês ligado ao antigo director-adjunto da campanha de Trump, Rick Gates, foi sentenciado esta terça-feira, 3 de abril, a 30 dias de cadeia e terá de pagar uma multa de 20 mil dólares (16 mil e trezentos euros), depois de ter admitido que mentiu à equipa especial de investigação liderada pela equipa de Robert Mueller, ex-diretor do FBI.

Segundo notícia da CNN, Alex van der Zwaan é a primeira pessoa a ser condenada no seguimento da investigação de Mueller à interferência Russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016. Zwaan declarou-se culpado em fevereiro e viu-se sujeito a uma pena que podia ir chegar aos seis meses de prisão.

No início desta terça-feira, os advogados do holandês negociaram com as autoridades para que o seu cliente não tivesse de passar tempo na cadeia, mas essa tática não surtiu efeito.

“O que eu fiz foi errado”, admitiu Van Der Zwaan antes de pedir desculpa pelos seus atos. O advogado terá omitido a conversa que teve com Rick Gates e um empresário seu associado — que reside na Ucrânia — em setembro de 2016, altura em que já decorria a campanha de Trump. Também admitiu que mentiu aos investigadores sobre o facto de não ter entregue e-mails seus à equipa especial de Robert Mueller que investiga a ligação de Rick Gates com Paul Manafort, ex-diretor de campanha de Donald Trump que teve fortes ligações às forças pró-russas da Ucrânia.

Alex Van Der Zwaan é o quarto culpado a surgir da investigação de Mueller, depois do adjunto de Trump, George Papadopoulos, e o seu conselheiro para segurança nacional, Michael Flynn, também terem assumido que mentiram aos investigadores. Rick Gates terá aceite um acordo que o coloca como colaborador da investigação.

Robert Mueller terá indiciado 13 cidadãos russos que influenciaram as eleições de 2016 através das redes sociais.

Ao contrário de outros arguidos, Zwaan não está envolvido em nenhum acordo de colaboração com os investigadores.