Cultura

Assinaturas escondidas decifram autenticidade de quadro perdido de Klimt

126

Uma equipa de investigadores, da qual faz parte uma portuguesa, atestou a autenticidade do quadro "Trumpeting Putto", de Gustav Klimt, através da descoberta de assinaturas escondidas.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Investigadores da Universidade de Coimbra e de instituições da Alemanha, Espanha e Japão decifraram assinaturas escondidas de um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt, que se julgava perdido, pondo fim à forte polémica em torno desta obra.

“Após cinco anos de intensos estudos, uma equipa internacional de investigadores, inicialmente das universidades de Coimbra (UC), de Hannover e de Mainz (Alemanha) e de Valladolid (Espanha)”, a que se juntaram mais recentemente as universidades japonesas de Shizuoka, Tsukuba, Yokohama e Tokushima, atesta a autenticidade do quadro Trumpeting Putto, de Gustav Klimt, afirma a universidade portuguesa, numa nota enviada esta terça-feira à agência Lusa.

A autenticação de Trumpeting Putto, uma das primeiras obras do pintor simbolista Gustav Klimt (1862-1918), que se “julgava perdida”, põe fim a “uma forte polémica em torno desta obra de arte”, salienta a UC. “Das várias provas obtidas pelos cientistas durante as extensas e complexas análises, destaca-se a descoberta de duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro O Beijo, escondidas na frente e verso da obra”.

A discussão começou em 2012, quando o colecionador Josef Renz adquiriu o quadro, que “tinha sido encontrado numa garagem do norte da Áustria”, refere a UC, recordando que, na ocasião, “peritos e historiadores de arte vieram a público questionar a autenticidade da obra, promovendo acesas discussões”.

Perante a controvérsia, noticiada em órgãos de comunicação social de todo o mundo, “foi decidido solicitar a intervenção de cientistas para esclarecer a autenticidade de Trumpeting Putto, obra que fez parte do teto do estúdio Klimt, em Viena, onde o pintor viveu com seu irmão Ernst entre 1883 e 1892″, adianta ainda a UC. A obra desapareceu quando “um elevador foi instalado no edifício e julgava-se que tinha sido destruída”, acrescenta.

Benilde Costa, docente e investigadora do Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, que integra a equipa multidisciplinar responsável por estudar a obra, é especialista em espetroscopia de Mössbauer e aplicou esta técnica no estudo do quadro, utilizando um espetrómetro portátil cedido pela agência norte-americana NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration/Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço).

A espetroscopia de Mössbauer, explica Benilde Costa, “permitiu identificar os pigmentos usados na pintura sem ser necessária a extração de amostras da obra”.

O quadro, que foi completamente restaurado, vai ser apresentado na quarta-feira, em conferência de imprensa a realizar às 10h30 (hora local), no Museu Sprengel Hannover (Kurt-Schwitters-Platz), durante a qual “os especialistas vão explicar todo o trabalho científico que permitiu esclarecer a autenticidade da obra que se pensava perdida”, indica a UC.

“O trabalho Trumpeting Putto é uma grande pintura circular com um diâmetro de cerca de 1,70 metros”, refere UC, sublinhando que “decifrada a sua autenticidade, os estudos prosseguem, agora com a colaboração das polícias criminais alemã e austríaca, dado tratar-se de um quadro extremamente valioso”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

A circumnavegação e tudo o resto

Manuel Villas-Boas

Nestas celebrações deve-se fazer justiça ao génio pessoal de Fernão de Magalhães, à fabulosa carga de conhecimentos portugueses que tinha trazido consigo e ao notabilíssimo feito do espanhol Urdaneta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)