O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, considerou, na segunda-feira, que a activista sul-africana Winnie Mandela foi uma “referência na luta” contra o apartheid na África do Sul, dizendo que a sua morte é “motivo de consternação”.

“Lamentamos porque Mandela é um rosto, uma referência da luta contra o apartheid na África do Sul, é uma referência da luta dos povos pela sua autodeterminação e autonomia e, para nós, isso é motivo de consternação”, disse Jorge Carlos Fonseca à imprensa, após a reunião do Conselho da República, que decorreu durante várias horas na segunda-feira.

O chefe de Estado cabo-verdiano, que informou que soube da morte da ex-mulher de Nelson Mandela após sair da reunião, lembrou que Cabo Verde também tem laços com a história da luta do povo sul-africano contra o apartheid e pela sua libertação do colonialismo.

Winnie Mandela, que morreu na segunda-feira num hospital de Joanesburgo após “doença prolongada”, foi um dos principais rostos da luta anti-apartheid mas também uma figura controversa, nomeadamente por encorajar a violência.

Morreu Winnie Mandela, a “mãe da Nação” sul-africana que foi condenada por rapto