Ryanair

Ryanair garante apoio a trabalhadores e que não há sanções para substitutos de grevistas

A Ryanair garante que a empresa apoia os "funcionários a 100%" e que não vai haver qualquer tipo de sanções para os tripulantes que substituíram os colegas em Portugal, declarou em comunicado.

Roman G. Aguilera/EPA

A transportadora aérea Ryanair garantiu esta terça-feira apoio aos seus trabalhadores e que não há sanções, como ações legais, contra os tripulantes de cabine que substituíram os grevistas em Portugal na quinta-feira e no domingo.

“Não devem estar preocupados de maneira alguma sobre as falsas alegações [de sanções]: a empresa apoia os nossos funcionários a 100%. Há risco zero que algum tripulante perca a sua licença de voo ou identificação do aeroporto”, lê-se num memorando datado deste dia e enviado aos trabalhadores, a que a agência Lusa teve acesso.

No texto negam-se as “numerosas falsas alegações que circulam nas redes sociais nos últimos dias, reivindicando que ações legais vão ser tomadas contra tripulantes de bases não portuguesas que operaram voos de e para Portugal”, assim como outras sanções. “Essas alegações são completamente falsas e estão a ser feitas por pessoas que tentam intimidar-vos com falsas alegações e causar o máximo de perturbação aos nossos clientes”, segundo o documento assinado por Andrea Doolan, responsável pelas operações de planeamento de voos.

Os tripulantes de cabine de bases portuguesas da transportadora de baixo custo cumprem na quarta-feira o último de três dias não consecutivos de greve para exigirem a aplicação da lei nacional. O texto agora conhecido começa por referir a “perturbação menor” provocada aos clientes na quinta-feira e domingo de Páscoa por tripulantes de bases portuguesas e garante que “a vasta maioria dos voos das bases de Portugal operaram com normalidade”, com a colaboração de trabalhadores e reversões de outras bases.

Essas reversões podem levar, por exemplo, a que um voo previsto para Lisboa-Paris, passe a ser Paris-Lisboa-Paris. A companhia irlandesa garante apoiar a 100% os seus funcionários, a quem sugere que peçam “conselho por escrito” aos que têm divulgado as “falsas alegações”.

“E depois deixem-nos saber para o email abaixo, para que possamos adotar as ações legais apropriadas contra essas pessoas ou sindicatos que fazem essas falsas alegações”, adianta o mesmo memorando, onde se lê ainda que o trabalho das tripulações fora de Portugal nos dois dias de greve decorreu “sem dificuldade e sem interferência de qualquer autoridade em Portugal”.

A companhia referiu que devem ser cumpridas as obrigações contratuais e que “não se podem escolher os voos para operar”. “Se abandonar o seu dever por recusa de operar voos como ordenado pela empresa será considerada como falta grave no âmbito de procedimento disciplinar, para a qual a sanção habitual é o despedimento”, segundo a Ryanair, que garantiu estar a gerir casos de ciber-bullying e que “não irá tolerar intimidação e assédio dos colegas por se juntarem à greve ou por recusa em operar fora da base”.

“Dois tripulantes foram recentemente despedidos por postarem mensagens abusivas e ameaçadoras sobre os seus colegas no Facebook e Whatsapp”, segundo o mesmo memorando. A Comissão Europeia escusou-se a comentar os problemas da greve da companhia aérea Ryanair, considerando que se trata de um assunto de âmbito nacional.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) tem denunciado, desde o início da paralisação, que a Ryanair substitui ilegalmente grevistas portugueses, recorrendo a trabalhadores de outras bases. A empresa admitiu ter recorrido a voluntários e a tripulação estrangeira durante a greve. No domingo, a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) anunciou ter desencadeado uma inspeção na Ryanair em Portugal para avaliar as irregularidades apontadas pelo SNPVAC.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)