Rússia

Skripal. Putin quer investigação minuciosa de ataque com gás neurotóxico

O Presidente russo, Vladimir Putin, declarou que Moscovo quer uma investigação minuciosa ao envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido e vai pedir para fazer parte dela.

TOLGA BOZOGLU/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente russo, Vladimir Putin, declarou que Moscovo quer uma investigação minuciosa ao envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido e vai pedir para fazer parte dela. Falando esta terça-feira em Ancara, após uma reunião com o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, Putin citou o dirigente do laboratório da Defesa britânico, segundo o qual os seus cientistas não identificaram a fonte exata do agente neurotóxico usado para atacar o antigo agente secreto duplo Serguei Skripal e a filha.

Putin frisou que o tipo de gás neurotóxico utilizado a 04 de março, no ataque a Skripal, pode ser produzido em cerca de 20 países. Para o chefe de Estado russo, dada a ausência de informação precisa sobre a origem do gás venenoso, “a velocidade com que foi lançada a campanha anti-Rússia causa perplexidade”. Serguei Skripal, de 66 anos, e a filha, Yulia, de 33, foram envenenados em Salisbury, no sul de Inglaterra, com uma neurotoxina produzida, segundo as autoridades britânicas, no âmbito de um programa químico nuclear soviético.

Londres considera que a responsabilidade de Moscovo neste envenenamento é “a única explicação plausível”, apesar de o Kremlin ter repetidamente negado qualquer envolvimento no caso do antigo agente secreto duplo russo. O incidente de Salisbury desencadeou entre Moscovo e o Ocidente uma das piores crises diplomáticas dos últimos anos. No total, o Reino Unido e seus aliados, entre os quais a União Europeia e a NATO, anunciaram mais de 150 expulsões de diplomatas russos dos seus territórios.

A Rússia ripostou adotando medidas idênticas em relação a um número equivalente de diplomatas desses Estados. Após ter expulsado, a 17 de março, 23 diplomatas britânicos e encerrado o consulado britânico em São Petersburgo, bem como o British Council na Rússia, Moscovo exigiu no sábado a Londres que reduza os seus funcionários diplomáticos em mais de 50 pessoas para obter uma “paridade” das missões diplomáticas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)