Espionagem

Skripal. Resultados sobre agente neurotóxico conhecidos na próxima semana

Resultados dos testes ao agente neurotóxico usado no envenenamento se Serguei Skripal devem estar prontos na próxima semana, mas não se sabe quais os laboratórios envolvidos na investigação.

EVERT-JAN DANIELS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) conta ter na próxima semana os resultados dos testes realizados às amostras recolhidas no âmbito da investigação ao envenenamento de um ex-espião russo com um agente neurotóxico em solo britânico. A informação foi avançada esta quarta-feira pelo diretor-geral da OPAQ, Ahmet Üzümcü, durante a 57.º sessão do conselho executivo daquela agência da ONU em Haia (Holanda).

O representante também indicou que a OPAQ, em resposta a um pedido da Rússia, não vai divulgar as identidades dos membros da equipa nem dos laboratórios que estão envolvidos na investigação ao caso do ex-espião duplo de origem russa Serguei Skripal. A 4 de março, Serguei Skripal, de 66 anos, e a filha, Yulia, de 33 anos, foram encontrados inconscientes num banco perto de um centro comercial em Salisbury, sul de Inglaterra.

As autoridades britânicas afirmaram que os dois tinham sido envenenados com um agente neurotóxico de tipo militar e responsabilizaram a Rússia pelo incidente que classificaram como um ataque. A Rússia negou qualquer envolvimento no ataque e o Reino Unido pediu uma investigação à OPAQ.

“Uma vez recebidos os resultados das análises das amostras [recolhidas em Salisbury], vai ser elaborado um relatório com base nesses resultados e será enviada uma cópia do relatório aos Estados-membros”, disse Üzümcü na sua intervenção, depois de salientar que a investigação da OPAQ é “independente” e que a organização “não está envolvida numa investigação nacional”. A delegação russa propôs uma investigação conjunta com Londres para esclarecer o caso Skripal e exigiu conhecer os detalhes do trabalho desenvolvido pela OPAQ, bem como a identidade dos investigadores e outros pormenores relevantes.

O Reino Unido considerou esta proposta “perversa” e advertiu que não aceita que Moscovo participe nas investigações de um caso no qual responsabiliza diretamente a Rússia. Na terça-feira, o diretor-executivo do laboratório militar britânico de Porton Down afirmou que as análises realizadas não permitiram determinar onde foi produzido o gás neurotóxico que envenenou o ex-espião Serguei Skripal.

“Conseguimos determinar que é Novichok e determinar que é um agente neurotóxico militar”, disse, na terça-feira, Gary Aitkenhead, numa entrevista à televisão Sky News. “Não determinámos a sua origem precisa, mas entregámos a informação científica ao governo, que depois recorreu a várias outras fontes”, acrescentou o mesmo responsável. A substância conhecida como Novichok é uma arma química desenvolvida pela então União Soviética no final do período da Guerra Fria.

O caso Skripal já provocou uma grave crise diplomática entre a Rússia e o Ocidente. Na semana passada, quase 30 países da Europa — incluindo mais de metade dos Estados-membros da União Europeia -, os Estados Unidos e Austrália, bem como a NATO, decidiram a expulsão de diplomatas russos, afetando um total de mais de 150 funcionários. Moscovo ripostou adotando medidas idênticas em relação a um número equivalente de diplomatas desses Estados. O ex-espião continua em estado crítico, mas a filha recuperou na semana passada e está consciente e capaz de falar, segundo as autoridades britânicas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)