INEM

Há 14 ambulâncias do INEM paradas devido à nova cor

3.682

O IMT está a chumbar a emissão de licenças de transporte de doentes das novas ambulâncias devido à cor. Bombeiros dizem que entidade será responsabilizada se alguém ficar sem socorro.

Tiago Petinga/LUSA

Há 14 ambulâncias de emergência médica que estão paradas devido à nova cor e identificação, que não estão legalmente regulamentadas, escreve o Jornal de Notícias. O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) está a recusar os novos veículos. A burocracia pode colocar em causa o socorro às populações.

As novas viaturas de emergência médica — vermelhas na traseira e com a identificação da corporação a que pertencem — não podem circular de forma legal porque estão a ser chumbadas pelo IMT na hora da emissão da licença de transporte de doentes. Em causa está precisamente a sua nova caracterização, que a entidade recusa.

Uma situação que, para a Liga dos Bombeiros Portugueses, tem tanto de “caricata” como de “irresponsável”. O presidente da Liga, Jaime Marta Soares, disse ao mesmo jornal que o IMT será responsabilizado se, devido à falta de meios, alguém ficar sem socorro.  O IMT limita-se a afirmar que a situação “decorre do enquatramento legal vigente” e que está a trabalhar com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) “num mecanismo que permita ultrapassar estes constrangimentos”.

Em dezembro passado, o INEM pediu à tutela a alteração do Regulamento de Transporte de Doentes, no qual se define a sua caracterização, mas o despacho ainda não foi publicado. O INEM considera que “a caracterização das ambulâncias é um requisito que não deve impedir, por si só, a emissão de licença de transporte de doentes” e assegura que já alertou o IMT do “evidente interesse público em que as novas ambulâncias entrem ao serviço o mais rapidamente possível”.

Há corporações que garantem que, a partir de segunda-feira, os veículos vão para rua “com ou sem papel” porque não vão recusar socorro a quem precisa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
477

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)