Cinema

“The Wailing”: o diabo anda à solta na Coreia do Sul

207

Uma presença maléfica espalha a morte e o medo numa vila do interior da Coreia do Sul, no excelente e multipremiado filme de terror de Na Hong-jin. Eurico de Barros dá-lhe cinco estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

A Ocidente, o cinema de terror agoniza entre matadouros, salas de tortura, flatulências sobrenaturais, vampiros e lobisomens vulgarizados, sustos adolescentes e comícios de “zombies”. O terror asiático, sobretudo o de confecção sul-coreana, surge assim como uma alternativa muito estimulante e muito nutritiva para os apreciadores do género enjoados com a dieta de mediocridade, com ou sem cabidela, que lhe tem sido servida nas paragens cinematográficas mais familiares. Na sequência de fitas como “R-Point-Esquadrão Fantasma”, de Su-chang Kong, “A Criatura”, de Joon-ho Bong, “Este é o Meu Sangue”, de Chan-Wook Park, ou “Train to Busan”, de Sang-ho Yeon, eis agora “O Lamento”, de Na Hong-jin, que se perfila como o equivalente local de “O Exorcista”, de William Friedkin.

[Veja o “trailer” de “O Lamento”]

Rodado em 2016, “O Lamento” foi distinguido com vários prémios na Ásia, nos EUA e na Europa, e explora o tema da possessão demoníaca, integrando-o no contexto cultural e religioso sul-coreano, o que faz com que na história convivam, e combatam as forças do mal, um xamã budista (que executa a versão desta religião de um exorcismo) e um sacerdote católico. O realizador Na Hong-jin, que também escreveu o argumento, e antes deste filme realizou o “thriller” de acção “The Chaser” (2008) e o policial “The Yellow Sea”, situa a história de “O Lamento” no interior do país, numa vila rural assolada por uma série de horríveis assassínios, cujos autores parecem ter sido atingidos por uma estranha doença, que além dos impulsos homicidas, os cobre de pústulas e põe em histeria.

[Veja uma sequência do filme]

Jong-hoo, um polícia local, trapalhão e algo cobardolas, começa a suspeitar que na origem dos crimes poderá estar, em vez dos cogumelos venenosos de que os media falam e os seus colegas desconfiam, um japonês idoso e esquivo que se instalou na região recentemente, e a essa suspeita junta-se outra: pode haver uma força sobrenatural malévola a presidir aos assassínios. A mesma que é responsável pelo comportamento cada vez mais estranho da sua filha pequena. Dando primeiro, e brevemente, a impressão que vai fazer um policial, Hong-jin instala depressa uma atmosfera cerrada e malsã de terror sobrenatural com implicações teológico-metafísicas, embora não construída a expensas de bateladas de efeitos digitais.

[Veja uma sequência do filme]

Em “O Lamento” o realizador confia nos actores, nos efeitos tradicionais de maquilhagem (nomeadamente, numa sequência grotesca que faz lembrar os filmes de “gore” e comédia negra de Peter Jackson como “Morte Cerebral”), no ambiente invernoso em que a acção decorre, em momentos, pormenores e sugestões visuais de ressonâncias arrepiantes (o recurso a objectos banalíssimos do quotidiano, com um colorido prendedor de cabelo de criança) e implicações malignas relacionadas com a feitiçaria (o corvo morto dentro do recipiente de soja, o animal esventrado e pendurado à porta da casa do polícia) e num par de guinadas narrativas, para concretizar aquele que é um dos melhores, mais inquietantes e mais assombrosos filmes de terror destes tempos recentes. (A produtora de Ridley Scott já está a negociar um “remake” americano).

E quando o diabo revela finalmente a sua identidade, e se manifesta em toda a sua malevolência, fá-lo sob um aspecto caracteristicamente asiático, tal como o encontramos representado em gravuras e pinturas ancestrais coreanas, japonesas ou chinesas. Mas utilizando, por outro lado, um método muito moderno e muito prosaico para se apoderar das almas humanas. Até pelo seu demónio “The Wailing” é um filme imperdível.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)