Venezuela

Venezuelanos fizeram 728 protestos em março por falta de serviços, alimentos e medicamentos

Os venezuelanos realizaram 728 protestos durante o mês de março, pela falta de dinheiro em notas nos bancos, eletricidade, gás, água, transporte e pela escassez de alimentos e medicamentos

CRISTIAN HERNANDEZ/EPA

Os venezuelanos realizaram 728 protestos durante o mês de março, pela falta de dinheiro em notas nos bancos, eletricidade, gás, água, transporte e pela escassez de alimentos e medicamentos, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Observatório Social-Humanitário (OSH). Segundo o OSH, desde 1 de janeiro de 2018, os venezuelanos realizaram 1.672 protestos.

“Os números vão continuar a subir, perante a grave emergência humanitária que existe na Venezuela”, explicou a porta-voz daquele organismo, criado pelo partido opositor Vontade Popular. Manuela Bolívar salientou, em declarações aos jornalistas, “a necessidade de uma liderança política que acompanhe os cidadãos em cada uma das manifestações”. “Através do OSH, emitimos relatórios mensais sobre o índice de conflituosidade e protestos. Os dados são recolhidos através de contatos com as pessoas e das redes sociais, porque sabemos da política de opacidade que aplica o regime de Nicolás Maduro. O OSH é responsável por dar visibilidade aos protestos que aumentam cada semana devido à crise no país”, disse.

Por outro lado, um comunicado do OSH explica que os 728 protestos ocorridos em março foram provocados principalmente pela falta de serviços como a eletricidade, o gás e a água. Também que 86 pessoas protestaram pela falta de alimentos, por atrasos na entrega de bolsas CLAP (alimentos a preços subsidiados pelo Estado) e pelos altos preços. “Também houve protestos laborais, de venezuelanos a quem nem o salário nem a pensão chega para sobreviver”, explica.

Segundo o OSH, em março registaram-se ainda 14 pilhagens de estabelecimentos comerciais, 39 protestos por escassez de transporte, 57 por escassez de medicamentos e materiais médicos, 40 por falta de dinheiro em bilhetes e 12 pela insegurança. Foram ainda registados 48 protestos por diversos motivos socioeconómicos, sete em escolas e liceus e 34 por motivos políticos. O Estado de Lara foi a região venezuelanas com mais protestos (171), seguindo-se Bolívar (124), Mérida (121), Miranda (116), o Distrito Capital (108) e Trujillo (103).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)