O Giulia é um excelente produto, mas por um motivo ou outro, ainda está longe de transformar o seu potencial tecnológico em sucesso comercial. Apostando que um reforço de imagem poderia fazer maravilhas à berlina italiana, a Alfa Romeo pode estar em vias de reforçar a gama com uma versão coupé de quatro lugares e duas portas, de características mais desportivas. Isto segundo declarações de colaboradores da marca à publicação britânica Autocar.

Provavelmente, herdando a sigla GTV, o futuro Giulia Coupé deverá chegar ao mercado em 2019, para se bater com os coupés Audi A5, BMW Série 4 e Mercedes Classe C, com os engenheiros da Alfa a não se pouparem minimamente, no que toca a reunir num só veículo um invejável manancial de soluções tecnológicas. Como se o motor 2.9 V6 biturbo, desenvolvido pela Ferrari, fosse pouco e os seus 510 cv anémicos, os responsáveis italianos pretendem ir um pouco mais além e reforçar o motor que equipa a versão Quadrifoglio com o sistema ERS (Energy Recovery System). Na essência, este ERS será uma adaptação do Hy-Kers do LaFerrari, que recorrendo a um motor eléctrico alimentado por baterias, elevando a potência total para uns impressionantes 650 cv.

O Giulia Coupé possuirá, além desta versão mais potente e necessariamente onerosa, uma segunda motorização, menos possante, mas igualmente respeitável. Trata-se do actual 2.0 turbo a gasolina, que já equipa a berlina Giulia de quatro portas, com 280 cv, mas que devido ao reforço eléctrico ascenderá a 350 cv. Além do adicional de potência, que obviamente se reflectirá nas acelerações e velocidade máxima, a electrificação de ambas as mecânicas vai igualmente assegurar mais força a baixo e a médio regimes, além de melhores consumos e, por tabela, menores emissões poluentes.