Infraestruturas

Infraestruturas de Portugal projeta concluir eletrificação da Linha do Algarve até final de 2020

A Infraestruturas de Portugal disse que se não for pedido nenhum estudo de impacte ambiental as empreitadas serão lançadas ainda este ano. Conclusão da eletrificação da Linha está prevista para 2020.

Joost De Raeymaeker/LUSA

A Infraestruturas de Portugal (IP) projeta concluir a obra de eletrificação da Linha Ferroviária do Algarve, num total de cerca de 100 quilómetros em dois troços, até final de 2020, caso não sejam necessários estudos de impacte ambiental. “Estamos a concluir os estudos dos projetos para os dois troços. Prevemos poder lançar as empreitadas durante o ano de 2018, estar a começar a obra até final de 2019 e concluir a empreitada até final de 2020”, adiantou o vice-presidente da IP, Carlos Fernandes, à margem da apresentação do Projeto de Eletrificação da Linha do Algarve, realizada em Faro.

A obra, integrada no programa de investimentos Ferrovia2020 e orçada em 57 milhões de euros – com financiamento comunitário de 85% -, inclui a eletrificação dos troços remanescentes, entre Tunes e Lagos, com 45 quilómetros de extensão, e entre Faro e Vila Real de Santo António, com cerca de 56 quilómetros. A estimativa estará, contudo, dependente da avaliação da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ao pedido de enquadramento da Infraestruturas de Portugal, explicou o responsável.

“Caso seja decidido que não é necessária uma avaliação de impacte ambiental, as empreitadas serão lançadas ainda este ano”, disse Carlos Fernandes, acrescentando que, se a resposta for contrária, o processo deverá atrasar-se seis meses. A calendarização inicial aponta para o fim da obra em 2020 e a realização de testes e certificações, para que, no início de 2021, possam entrar em serviço os dois troços.

A intervenção garantirá “impactos sensíveis” na melhoria da qualidade dos serviços, permitindo que, com novo material elétrico, sejam feitos “com maior qualidade, com maior rapidez e com menos tempo de trajeto”, sublinhou o vice-presidente da IP. “Há um conjunto de benefícios, como redução de tempo, redução de custos ferroviários ou redução de acidentes, que são calculados e nos permitem alcançar uma taxa de rentabilidade económica interessante, na ordem dos 20 por cento, demonstrando a viabilidade económica do projeto para ter acesso ao financiamento comunitário”, assinalou Carlos Fernandes.

O administrador da CP – Comboios de Portugal, Abrantes Machado, na sessão, foi questionado sobre a modernização dos equipamentos e serviços para responder à eletrificação do troço, mas disse não ser possível precisar a alteração de oferta. “Prevê-se que haja uma alteração de serviços, proporcionando maior mobilidade e mais ligações a Lisboa e ao longo da Linha do Algarve. Todavia, neste preciso momento, não é possível precisar alterações de oferta, porque não há conhecimento preciso de qual será o material que será possível alocar no pós-eletrificação”, disse o responsável da CP.

O projeto de eletrificação da Linha do Algarve integra também trabalhos de reforço e estabilização de taludes, de melhoria das condições de acesso ao transporte ferroviário nas plataformas de passageiros, de reabilitação de pontes e viadutos e de compatibilização dos sistemas de sinalização e telecomunicações. Está prevista a construção de uma nova subestação de tração elétrica em Olhão, para alimentar o troço entre Faro e Vila Real de Santo António, orçada em dez milhões de euros, enquanto para o outro troço bastará apenas a ampliação da atual subestação de Tunes.

Durante os trabalhos nos dois troços, a IP prevê a criação de 140 postos de trabalho. O programa de investimentos Ferrovia2020 prevê, até 2023, um investimento global de dois mil milhões de euros e a intervenção de 1.000 quilómetros de linhas ferroviárias no continente. Neste momento, revelou o vice-presidente da IP, estão em obra ou em concurso cerca de 655 milhões de euros e, até final de 2018, estará concluído cerca de cinco por cento (102 milhões de euros) do montante total.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)