Rádio Observador

Estradas

Petição com sete mil assinaturas reivindica melhoria e duplicação do IP3 entre Coimbra e Viseu

A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 entregou uma petição na Assembleia da República, com "mais de sete mil assinaturas", pedindo "a melhoria e alargamento" da via, entre Coimbra e Viseu.

PAULO NOVAIS/LUSA

A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 entregou esta sexta-feira uma petição na Assembleia da República, com “mais de sete mil assinaturas”, reivindicando “a melhoria e alargamento” da via, entre Coimbra e Viseu, sem introdução de portagens. O facto de em “cerca de dois meses” a petição ‘Melhoria e alargamento do IP3 sem portagens — Pela segurança, acessibilidade e desenvolvimento’ ter sido subscrita por aquela quantidade de pessoas constitui a “demonstração inequívoca da vontade das populações e utilizadores pela melhoria” desta estrada, que é uma “via estruturante”, sustenta a associação.

Lançada pela associação de utentes do IP3, a petição foi entregue nos serviços administrativos da Assembleia da República (“dificuldades de agenda do presidente” deste órgão impediram que o documento fosse diretamente entregue a Eduardo Ferro Rodrigues), esta sexta-feira de manhã, disse à agência Lusa Álvaro Miranda, da Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3, cujos representantes também foram recebidos por uma delegação do grupo parlamentar do PCP. A petição reclama, designadamente, a “reparação urgente do piso” da via, a “estabilização dos taludes”, a “correção dos graves problemas de segurança”, a “instalação de separador central” no lanço onde ainda não existe e a “manutenção do IP3 ao serviço da economia e das populações”.

“Defendemos que todo o trajeto entre Coimbra e Viseu tenha via dupla em toda a sua extensão” (perto de 80 quilómetros) e que sejam suprimidos os cruzamentos de nível, mas sem a introdução de qualquer portagem, sublinhou à agência Lusa Álvaro Miranda, destacando que no troço da via entre Trouxemil, no concelho de Coimbra, e o nó de acesso ao IC6 (Penacova) circulam “entre 18 mil e 20 mil veículos por dia, grande parte dos quais pesados”. Mais importante ainda é o facto de este itinerário principal (IP) registar elevados índices de sinistralidade, realça Álvaro Miranda, referindo que entre 1991 e 2017 ocorreram mais de 1.800 acidentes no lanço entre a zona do Botão (Coimbra) e Oliveira do Mondego (Penacova), com cerca de 20 quilómetros, que provocaram um total de 123 mortos e 1.836 feridos.

Sobre a construção de uma autoestrada entre Coimbra e Viseu, como tem vindo a ser reivindicado designadamente por alguns municípios da região, mesmo que sujeita a portagens, a Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 nada tem a opor, desde que essa via “não comprometa o IP3” e que este itinerário seja reabilitado, duplicado nas vias e não sujeito a portagens. A associação de utentes, que está sediada em Oliveira do Mondego (Penacova), vai, entretanto, continuar a recolher subscritores da petição, para adicionar ao documento que entregou esta sexta-feira na Assembleia da República, dada “a urgência de várias das intervenções a realizar neste itinerário principal e uma vez foi ultrapassado o número mínimo de quatro mil assinaturas para obrigar à discussão da petição”, disse Álvaro Miranda.

Mas, entretanto, é “obrigação urgente do Governo, da Infraestruturas de Portugal, do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas resolver este grave problema, salvando vidas, apoiando a economia do País e o desenvolvimento desta vasta região, elevando simultaneamente a qualidade de vida de todos os que têm necessidade de circular por esta rodovia”, conclui o dirigente da associação de utentes do IP3. O Itinerário Principal (IP) 3, que liga a fronteira de Vila Verde da Raia, no concelho de Chaves, à Figueira da Foz, atravessando territórios dos distritos de Vila Real, de Viseu e de Coimbra, possui uma extensão de 279 quilómetros, dos quais 202 quilómetros em perfil de autoestrada, sendo os restantes 77 quilómetros (correspondentes à ligação entre Coimbra e Viseu) em perfil de via rápida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)