São “nove discos inéditos”, entre “apresentações ao vivo”, trabalhos “de estúdio” e álbuns “gravados com o intuito de virem a ser editados um dia”. É, garante Inês Laginha em declarações ao Diário de Notícias (DN), “música muito bonita e maravilhosa”, que faz “todo o sentido estar cá fora” e que a Casa Bernardo Sassetti (de que a citada, filha do pianista Mário Laginha, é diretora artística) gostava de editar. Para isso, precisa de financiamento.

Há uma entidade interessada em difundir a obra que o pianista português (que morreu aos 41 anos) deixou inédita, revela Inês Laginha ao DN, explicando que até aqui, sem financiamento, a Casa Bernardo Sassetti tem estado “dependente  de amigos e família”. A associação candidatou-se pela primeira vez ao apoio da Direção-Geral das Artes (para o período entre 2018 e 2021) mas a candidatura foi recusada.

“Não conseguimos fazer muitas atividades, porque o espólio está bloqueado. A morte do Bernardo foi muito inesperada. As coisas estão exatamente como ele as deixou. Não há cópias e é muito perigoso mexer naquilo. Evitamos ao máximo ir lá, o que bloqueia aquilo que nós mais queremos: ter a música do Bernardo disponível para toda a gente”, diz ainda a responsável.