Rádio Observador

Daimler

Afinal, a Mercedes já gosta do chinês da Geely

Li Shufu forçou a entrada no capital da Daimler (Mercedes e Smart) e não foi propriamente bem recebido. Mas, como o dono da Geely e Volvo pode facilmente duplicar a quota, já passou a ser bem visto.

Autor
  • Observador

Esta “história” conta-se em quatro actos. Acto 1: o chinês Li Shufu, dono da Geely, mas também da Volvo, contactou a Daimler (Mercedes e Smart) informando-os que estava interessado em tornar-se um accionista de referência e questionando-os se estariam interessados em estabelecer condições especiais. Acto 2: A Daimler mandou Shufu ‘passear’, fazendo saber que se quisesse adquirir acções, que fosse negociá-las na bolsa. Acto 3: Shufu foi efectivamente ao mercado e comprou 9,7% das acções do grupo alemão, tornando-se no maior accionista. Acto 4: a Daimler, simpaticamente e através do seu porta-voz, Joerg Howe, deu as boas-vindas ao novo accionista, mas questionada sobre a possibilidade de as marcas virem a trabalhar juntas, especialmente no mercado chinês, afirmou prontamente que “seria altamente improvável”, pois não só não viam o que a Geely tinha para oferecer à Daimler, como já existia um acordo anterior com outro grupo chinês, a BAIC.

Baixado o pano e passado pouco mais de um mês, eis que a Daimler – como seria de prever, porque nas empresas money talks – realizou uma marcha-atrás perfeita. Numa reunião em Berlim e perante 6.000 accionistas, o CEO da Daimler Dieter Zetsche começou por congratular-se pelo positivo que têm sido as conversações com Li Shufu. Mas, ao contrário do que afirmou Joerg Howe, Dieter admitiu o óbvio:

A China é o nosso maior mercado e todas as discussões futuras vão incluir o nosso maior accionista”. Ou seja, Shufu.

É claro que os acordos vigentes com a BAIC, que é detida pelo Estado chinês, têm de ser cumpridas, mas vem aí a produção de carros eléctricos e ‘há pano para mangas’ para fazer novos acordos, em que esteja presente a Geely e não a BAIC. E como Li Shufu nunca fez questão em negar que o seu interesse principal na Daimler, além do acesso a uma fatia dos importantes lucros do grupo alemão, reside na partilha da tecnologia que Shufu está convencido que a Mercedes detém no campo das baterias, esta opção serve-lhe na perfeição.

Numa reunião de accionistas em que o dono da Geely fez questão em não estar presente, tendo enviado um representante, Dieter Zetsche foi mais longe e reconheceu mesmo que “a presença de Li Shufu como accionista abre-nos uma série de novas possibilidades”. Ou seja, em apenas um mês, o chinês passou de “besta a bestial”, para utilizar uma terminologia mais popular. E a explicação para esta mudança de “humor” é muito simples, pois com tanto capital disperso em bolsa, se Shufu adquiriu facilmente 9,7% da Daimler por 7,3 mil milhões de euros, sem que ninguém o pudesse evitar, será igualmente simples continuar a elevar a fasquia até 20% – ou até mais, pois acesso a capital é coisa que não falta para os lados da Geely –, o que lhe daria um maior peso na administração e, quem sabe, transformar Dieter (ou um seu substituto) num potencial homem de mão.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)