Daimler

Afinal, a Mercedes já gosta do chinês da Geely

Li Shufu forçou a entrada no capital da Daimler (Mercedes e Smart) e não foi propriamente bem recebido. Mas, como o dono da Geely e Volvo pode facilmente duplicar a quota, já passou a ser bem visto.

Autor
  • Observador

Esta “história” conta-se em quatro actos. Acto 1: o chinês Li Shufu, dono da Geely, mas também da Volvo, contactou a Daimler (Mercedes e Smart) informando-os que estava interessado em tornar-se um accionista de referência e questionando-os se estariam interessados em estabelecer condições especiais. Acto 2: A Daimler mandou Shufu ‘passear’, fazendo saber que se quisesse adquirir acções, que fosse negociá-las na bolsa. Acto 3: Shufu foi efectivamente ao mercado e comprou 9,7% das acções do grupo alemão, tornando-se no maior accionista. Acto 4: a Daimler, simpaticamente e através do seu porta-voz, Joerg Howe, deu as boas-vindas ao novo accionista, mas questionada sobre a possibilidade de as marcas virem a trabalhar juntas, especialmente no mercado chinês, afirmou prontamente que “seria altamente improvável”, pois não só não viam o que a Geely tinha para oferecer à Daimler, como já existia um acordo anterior com outro grupo chinês, a BAIC.

Baixado o pano e passado pouco mais de um mês, eis que a Daimler – como seria de prever, porque nas empresas money talks – realizou uma marcha-atrás perfeita. Numa reunião em Berlim e perante 6.000 accionistas, o CEO da Daimler Dieter Zetsche começou por congratular-se pelo positivo que têm sido as conversações com Li Shufu. Mas, ao contrário do que afirmou Joerg Howe, Dieter admitiu o óbvio:

A China é o nosso maior mercado e todas as discussões futuras vão incluir o nosso maior accionista”. Ou seja, Shufu.

É claro que os acordos vigentes com a BAIC, que é detida pelo Estado chinês, têm de ser cumpridas, mas vem aí a produção de carros eléctricos e ‘há pano para mangas’ para fazer novos acordos, em que esteja presente a Geely e não a BAIC. E como Li Shufu nunca fez questão em negar que o seu interesse principal na Daimler, além do acesso a uma fatia dos importantes lucros do grupo alemão, reside na partilha da tecnologia que Shufu está convencido que a Mercedes detém no campo das baterias, esta opção serve-lhe na perfeição.

Numa reunião de accionistas em que o dono da Geely fez questão em não estar presente, tendo enviado um representante, Dieter Zetsche foi mais longe e reconheceu mesmo que “a presença de Li Shufu como accionista abre-nos uma série de novas possibilidades”. Ou seja, em apenas um mês, o chinês passou de “besta a bestial”, para utilizar uma terminologia mais popular. E a explicação para esta mudança de “humor” é muito simples, pois com tanto capital disperso em bolsa, se Shufu adquiriu facilmente 9,7% da Daimler por 7,3 mil milhões de euros, sem que ninguém o pudesse evitar, será igualmente simples continuar a elevar a fasquia até 20% – ou até mais, pois acesso a capital é coisa que não falta para os lados da Geely –, o que lhe daria um maior peso na administração e, quem sabe, transformar Dieter (ou um seu substituto) num potencial homem de mão.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)