O Presidente da República e o primeiro-ministro vão estar hoje juntos, em Paris, no arranque das celebrações do centenário da batalha de La Lys, uma das mais mortíferas da história militar portuguesa, travada durante a Primeira Guerra Mundial.

De acordo com o programa, as cerimónias iniciam-se às 17h00 (16h00 em Lisboa) na ‘Avenue des Portugais’ (Avenida dos Portugueses), onde será descerrada uma placa comemorativa dos 100 anos da batalha que fez mais de 7.000 vítimas portuguesas, entre mortos (400), feridos e prisioneiros (6.600).

A comitiva liderada pelo chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, dirige-se depois para o Arco do Triunfo, onde às 18h30 (17h30 de Lisboa) decorrerá uma cerimónia militar de homenagem ao soldado desconhecido francês.

Além de Marcelo Rebelo de Sousa e do primeiro-ministro, António Costa, estarão presentes na cerimónia do “reavivar da chama” debaixo do Arco do Triunfo a autarca de Paris, Anne Hidalgo, e a secretária de Estado da Defesa de França, Geneviève Darrieussecq.

A Batalha de La Lys decorreu no dia 09 de abril de 1918 e resultou de um intenso ataque alemão contra as forças aliadas, nas quais os portugueses estavam integrados.

Os militares portugueses que combateram na Europa (cerca de 50.000) chegaram a França no início do ano de 1917. A Primeira Guerra Mundial terminou em novembro de 1918 com a vitória dos aliados.

As invocações da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial prosseguem na segunda-feira, no cemitério militar português de Richebourg, no norte de França, nas quais participará também o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.