Rádio Observador

Segurança

Mitsubishi ASX e Ford Kuga são terrivelmente maus na protecção do “pendura”

146

O norte-americano Instituto de Seguros para a Segurança Rodoviária, o equivalente ao “nosso” EuroNCAP, testou vários SUV que também se vendem deste lado do Atlântico. ASX e Kuga falham rotundamente.

Nos Estados Unidos da América, o Instituto de Seguros para a Segurança Rodoviária (Insurance Institute para Highway Safety, IIHS) desempenha um papel semelhante ao que o EuroNCAP representa para o mercado europeu, no que toca a avaliar a segurança dos veículos postos em comercialização.

Ora, o IIHS decidiu sujeitar uma série de pequenos SUV à sua mais recente ronda de análise, face à popularidade crescente que este tipo de propostas tem (também) do lado de lá do Atlântico. O interesse dessa avaliação reside no facto de alguns dos modelos que foram sujeitos aos rigorosos testes de impacto se venderem também do lado de cá do oceano. Nomeadamente, o BMW X1, o Jeep Compass, o Mitsubishi Outlander, Mitsubishi ASX e o Ford Kuga. Embora estes dois últimos assumam no mercado norte-americano uma outra designação comercial, respectivamente Mitsubishi Outlander Sport e Ford Escape. Mas, na essência, estamos perante os mesmos carros que são comercializados por cá e que, provou-se agora, estão muito longe de oferecer a devida protecção ao passageiro do banco da frente, segundo o padrão americano.

Antes de irmos aos resultados, impõe-se contextualizar. Alguns dos testes levados a cabo pelo IIHS são mais exigentes que os europeus. É o caso, por exemplo, da colisão frontal contra uma estrutura não deformável, com uma área de contacto de 25% da zona frontal, o que nos testes do EuroNCAP acontece contra uma estrutura deformável, logo absorvendo uma parte importante da energia a dissipar. Daí que, no teste do EuroNCAP, em 2012 (antes do restyling) o Kuga tenha obtido a classificação de cinco estrelas (a pontuação máxima), mediante o padrão europeu.

Mas o IIHS que, habitualmente, efectuava esse teste do lado do condutor, tendo reprovado vários modelos por isso, constatou que os fabricantes trataram de reforçar a protecção, preparando-a para o embate nessas circunstâncias. Sucede que o instituto norte-americano quis saber se, efectivamente, o reforço foi aplicado de modo a garantir a protecção dos dois ocupantes da frente. Ou seja, quer o impacto seja do lado do condutor quer seja do lado do pendura, é de esperar que o veículo ofereça o mesmo nível de protecção a ambos, numa colisão a uma velocidade de 64 km/h contra um obstáculo não deformável. O que supõe que não só o pilar A tem de ser resistente, em qualquer um dos lados, como tem de haver sincronia na deflagração dos arbaigs frontais e de cortina (laterais). Contudo, os últimos testes efectuados pelo IIHS revelam que nem sempre é assim, em prejuízo de quem segue no lugar de “pendura”, em caso de um acidente real.

Em termos concretos, concluiu-se nesta última ronda que o ASX e o Kuga estão longe de providenciar a adequada protecção ao passageiro do banco da frente, segundo o padrão do IIHS.

No caso do Ford, o pilar A ficou dobrado e houve uma intrusão de 25 centímetros no habitáculo, com o reforço interior da porta a invadir em 10 cm o interior. O que significa que, se houvesse mesmo um acidente, o ocupante não escaparia a lesões ao nível do quadril. E, como se isso não bastasse, o airbag de cortina também não funcionou. Perante esta prestação, o Kuga recebeu a pior das avaliações (“medíocre”) no que toca à protecção do “pendura”. Sucede que o mesmo carro, submetido ao mesmo teste, mas do lado do condutor, recebeu a classificação de “aceitável”… Tal sugere uma única explicação: poderão existir muitas marcas que, na ânsia de quererem passar o teste e assim obterem o Top Safety Pick +, preocuparam-se em reforçar a segurança sim, mas só do lado do condutor. Pois, efectuada a mesma simulação de colisão, mas do lado do passageiro, o resultado é bem diferente. Para pior.

O Mitsubishi ASX esteve melhor, mas longe de ficar bem no retrato. Com o impacto, a porta dianteira ficou completamente desintegrada, o pilar A visivelmente deformado e airbag de cortina não deflagrou. Um cenário “inesperado” para o próprio IIHS, “após tantos anos de provas”. Mas o melhor é ver o vídeo:

O Jeep Compass, o BMW X1 e o Mitsubishi Outlander receberam um “bom”, a classificação máxima.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)