Espionagem

Skripal: Embaixada russa em Londres acusa britânicos de não facultarem informação

A embaixada russa em Londres denunciou falta de informação da parte dos britânicos sobre a morte do exilado russo Nikolai Glouchkov e o envenenamento do ex-agente duplo Serguei Skripal e da filha.

WILL OLIVER/EPA

A embaixada russa em Londres denunciou hoje falta de informação da parte dos britânicos sobre a morte do exilado russo Nikolai Glouchkov e o envenenamento do ex-agente duplo Serguei Skripal e da filha.

Nikolai Glouchkov, um ex parceiro de negócios do oligarca russo que se tem oposto ao Kremlin Boris Berezovski, foi encontrado morto em casa, no oeste de Londres, a 12 de março.

Segundo a polícia, morreu na sequência de “uma lesão ao nível do pescoço”.

“Passou quase um mês desde a morte de Glouchkov e, como se passou com Serguei e Youlia Srikpal, os britânicos não forneceram qualquer informação”, afirmou a embaixada russa em comunicado.

“Como foram feitos numerosos pedidos”, a embaixada considera que “é deliberado”.

A embaixada afirmou que o Ministério dos Negócios Estrangeiros a aconselhou a recorrer à polícia.

Os Estados Unidos oferecerão uma nova identidade e uma “nova vida” no país ao espião duplo Serguei Skripal e à filha, Yulia, envenenados a 04 de março em Salisbury (Inglaterra), revela hoje o jornal britânico The Sunday Times.

Fonte do governo britânico assegurou ao jornal que o serviço secreto do Reino Unido, o MI6, mantém contactos com a CIA norte-americana, para que ambos sejam levados para os EUA.

O periódico afirma que Yulia Skripal, que foi encontrada inconsciente no banco de um parque junto ao pai após serem expostos a um agente tóxico de uso militar, recusou a ajuda consular oferecida pela Rússia.

Após cerca de um mês internados em estado crítico, a saúde de Serguei e da filha melhorou nos últimos dias e pelo menos ela recuperou a fala.

O executivo britânico indicou Moscovo como responsável pelo ataque ao ex-espião russo, que foi captado pela secreta britânica nos anos 90, apesar de o Kremlin negar qualquer implicação.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, criticou hoje o líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, por dar credibilidade à “propaganda” russa e recusar o apoio “inequívoco” ao governo britânico.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)