A Ordem dos Nutricionistas denuncia que Estado não tem nutricionistas suficientes para fiscalizar as refeições e garantir que as normas sobre a oferta alimentar nas cantinas e bufetes são cumpridas, conta o Jornal de Notícias.

O Ministério da Educação tem dois nutricionistas — apenas um num organismos descentralizado (nos serviços da região centro da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares) —, mas a Ordem dos Nutricionistas defende que deferiam ser contratados mais 30.

A proposta entregue pela Ordem à secretária de Estado Adjunta e da Educação prevê que estes 32 profissionais possam cumprir as seguintes missões: revisão e elaboração de normas na área da alimentação escolar; fiscalização e das refeições e dos alimentos dispensados nas cantinas, bufetes e máquinas de venda automática; e produção de material informativo e de alimentar para as escolas.