TAP

ANAC contabilizou mais de 3.800 passageiros afetados por cancelamentos de voos da TAP em Lisboa entre 26 e 28 de março

Foram cancelados 29 voos da TAP nos dias 26, 27 e 28 de março. Mais de 3.800 passageiros foram afetados, de acordo com a Autoridade Nacional de Aviação Aérea.

LUSA

A Autoridade Nacional de Aviação Aérea (ANAC) contabilizou nos dias 26, 27 e 28 de março 29 voos cancelados da TAP em Lisboa e 3.846 passageiros afetados e informou “continuar a monitorizar a situação”.

Em resposta à agência Lusa, a ANAC referiu os cancelamentos da companhia aérea no final de março, informando ter convocado “responsáveis da transportadora da aérea de apoio a passageiros para prestar esclarecimentos e informações à ANAC”.

A autoridade esteve ainda em “comunicação permanente com os passageiros afetados, que contactaram a ANAC, informando dos procedimentos a adotar para pedidos de reembolso e indemnização” e apoiou “passageiros no preenchimento das reclamações e esclarecimentos relativamente aos seus direitos”. “A ANAC continua a monitorizar a situação”, lê-se nas respostas por escrito dadas à Lusa.

Num documento a que a Lusa teve acesso, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) tinha apelado aos pilotos da TAP para que pedissem o gozo de folgas em atraso, para além de não aceitarem voos em dias de folgas e de férias, como “forma de pressão” junto da transportadora aérea.

No documento enviado aos associados, o SPAC informava que tinha decidido implementar três “medidas iniciais”: a não aceitação de voos em folga/férias no período de 24 a 28 de março (inclusive), pedido de folgas em atraso e e-learning (ensino à distância).

No caso do e-learning, o SPAC explica que, “sendo a atividade de formação considerada como duty [dever], e, estando o piloto sujeito a máximos regulamentares e legais, entendemos ser obrigatório o seu registo em planeamento mensal e respetiva contabilização”.

Dezenas de cancelamentos ocorreram nos últimos dias, sem a TAP pormenorizar as razões, tendo lamentado a situação e garantido que vai indemnizar os passageiros afetados por atrasos ou cancelamento de voos. A Lusa também contactou o SPAC, mas fonte oficial escusou-se a fazer comentários.

O ministro das Infraestruturas e Planeamento, Pedro Marques, garantiu esta terça-feira que o Governo está disponível para esclarecer os deputados sobre os cancelamentos de voos na TAP, mas que é uma situação de “natureza operacional” e que é da responsabilidade da comissão executiva da companhia aérea.

“É óbvio que o Governo, quando é sempre chamado ao parlamento, está sempre disponível para esclarecer os senhores e senhoras deputados”, disse o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, à agência Lusa quando questionado sobre os cancelamentos de voos na TAP e sobre o pedido do CDS-PP para ouvir o ministro sobre esta matéria.

No entanto, Pedro Marques sublinhou que esta questão é “de natureza operacional” e os esclarecimentos sobre os cancelamentos de voos da TAP “serão sempre da responsabilidade da comissão executiva da TAP”.

“O Estado não interfere em matérias de gestão operacional da TAP. Isso é abundantemente conhecido, relativamente ao processo de privatização e à posição que o Estado tem na empresa, que é uma posição de definição estratégica da empresa. É também claro que as competências de gestão operacional são da comissão executiva. Não faz nenhum sentido estar aqui a falar de voos cancelados”, acrescentou o ministro.

No dia 15 de março, os pilotos da TAP reuniram-se em assembleia de empresa convocada pelo SPAC e decidiram mandatar a direção sindical para prosseguir as negociações com a companhia, que têm a ver com matérias relacionadas com o regulamento de contratação externa e a atualização salarial.

A assembleia dos pilotos da TAP teve como ordem de trabalhos a análise da “situação de incumprimento” pela TAP do Acordo de Empresa relativo ao regulamento de contratação externa (RERCE) e a atualização salarial, bem como medidas “para a resolução da situação de depreciação salarial dos pilotos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)