Macau

Mais de 1.400 acusados de fumar em locais proibidos em Macau

Os Serviços de Saúde de Macau registaram 1.420 casos de fumo em locais proibidos desde o início do ano e até 31 de março, menos 36,6% do que o período homólogo.

Marcelo Sayão/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Serviços de Saúde de Macau registaram 1.420 casos de fumo em locais proibidos desde o início do ano e até 31 de março, menos 36,6% do que o período homólogo, foi esta terça-feira divulgado. Estas 1.420 pessoas, menos 821 casos do que em igual período do ano passado, foram acusadas de fumarem em espaços proibidos. Os Serviços de Saúde realizaram mais de 89 mil inspeções, com o registo de 1.425 acusações, cinco das quais são referentes a ilegalidades nos rótulos dos produtos de tabaco, indicaram em comunicado.

A maioria dos fumadores eram do sexo masculino (92,8%), contra apenas 102 pessoas do sexo feminino (7,2%). Dos 1.420 casos, 900 eram turistas, 477 cidadãos de Macau e 43 das infrações foram cometidas por trabalhadores não residentes (3,0%). Em 37 casos foi necessário o apoio das forças de segurança, enquanto 1.156 pessoas (81,1%) foram autuadas.

Os casinos foram os espaços onde se registou o maior número de infrações (396). Com a entrada em vigor das alterações à lei de controlo do tabagismo, passou a ser proibido fumar dentro dos casinos, exceto em salas legalmente equipadas para o efeito. Os casinos e os aeroportos são os únicos dois locais onde as salas para fumadores são permitidas em Macau, no âmbito da lei que proíbe fumar em todos os recintos fechados.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)