Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os tempos de espera para primeiras consultas de especialidade estão acima dos dois anos em vários hospitais do país. Segundo os mais recentes dados do Ministério da Saúde, a 30 de novembro de 2017 pelo menos 74 consultas apresentavam prazos médios acima de um ano, quando não deveriam exceder os 150 dias. Estes atrasos afetavam cerca de cem mil doentes, avança o Diário de Notícias, que analisou 60 hospitais.

Destas 74 consultas, os tempos de espera agravavam-se ainda mais para 14, onde os doentes tinham de esperar dois anos para serem atendidos. A situação mais grave vivia-se na consulta de dermatovenereologia no hospital de Aveiro onde o tempo de espera era superior a cinco anos para uma consulta que deveria acontecer no espaço máximo de 60 dias. O hospital garante que a situação melhorou, mas a espera continua a ser de três anos.

A justificação para estes atrasos prende-se com falta de profissionais e de vagas, segundo apontam fontes hospitalares. Para além da dermatovenereologia, as piores situações eram nas consultas de ortopedia, urologia ou reumatologia. Olhando para as unidades de saúde, o hospital de Vila Real destacava-se como sendo a que tinha mais especialidades com atrasos superiores a dois anos (quatro).

“A verdade é que os tempos elevados se justificam pelo insuficiente número de médicos desta especialidade e, a este respeito, a direção clínica esclarece que o Centro Hospitalar do Baixo Vouga solicitou vagas de várias especialidades, entre as quais as de dermatologia e reumatologia, sendo que, no último procedimento concursal para recrutamento de pessoal médico, não foi atribuída a este Centro Hospitalar nenhuma vaga de reumatologia, tendo sido atribuída uma vaga de dermatologia — de resto, a única vaga da região centro — à qual não concorreu nenhum recém-especialista”, explicou ao DN fonte do Centro Hospitalar do Baixo Vouga, que inclui o Hospital Infante D. Pedro, de Aveiro.

Num levantamento feito no início do ano, o Sindicato Independente dos Médicos apontava o facto de metade do horário normal de trabalho dos especialistas ser dedicado ao serviço de urgências para justificar os atrasos nas consultas de especialidade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR