Rádio Observador

País

Buscas pelos turistas austríacos desaparecidos no Meco retomadas às 07h30

As operações de busca pelos dois cidadãos austríacos desaparecidos na segunda-feira na praia do Meco foram retomadas às 07h30, disse à agência Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional.

PAULO NOVAIS/LUSA

As operações de busca pelos dois cidadãos austríacos desaparecidos na segunda-feira na praia do Meco, em Sesimbra, distrito de Setúbal, foram retomadas às 07h30, adiantou à agência Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN). Em declarações à Lusa, o comandante Fernando Pereira da Fonseca explicou que as buscas pelos dois desaparecidos que foram arrastados pelo mar na segunda-feira após uma aterragem acidentada da mulher, foram retomadas às 07h30, apesar da previsão de agravamento do estado do mar para esta quarta-feira.

“As buscas vão ser retomadas a partir das 07h30. Durante a noite houve monitorização habitual daquela zona da costa com as patrulhas da Polícia Marítima, mas agora [de manhã] o dispositivo vai ser outra vez colocado. Contudo, hoje vamos ter um agravamento da ondulação em relação ao dia de ontem [terça-feira]”, disse. O comandante indicou que só é esperada uma melhoria das condições da ondulação na sexta-feira.

“Para o dia de hoje não estamos com muita esperança de chegar ao local onde está o parapente”, disse. De acordo com o porta-voz da AMN, os meios a ser empenhados esta quarta-feira nas buscas são os mesmos que foram empenhados na terça-feira, ainda sem certezas sobre a utilização do helicóptero da Força Aérea. “O capitão do porto [de Setúbal] é que vai avaliar a situação no local. As equipas de terra vão ser ativadas, mas o meio aéreo ainda vai ser avaliado se vale a pena mobilizar devido às condições do mar”, indicou.

Na terça-feira, estiveram envolvidos nas buscas três equipas e uma moto4 da Polícia Marítima, uma moto4 do Instituto de Socorros a Náufragos com nadadores-salvadores, uma aeronave da Força Aérea Portuguesa, uma ambulância e elementos dos Bombeiros Voluntários e uma equipa da Proteção Civil de Sesimbra, bem como, uma equipa de mergulhadores forenses da Polícia Marítima e uma de mergulhadores sapadores da Marinha.

Segundo a AMN, “durante a baixa-mar, foram realizadas três tentativas de agarrar o parapente pelo recuperador do helicóptero da Força Aérea Portuguesa, com recurso a um gancho ligado a um cabo que se estendia para terra, numa operação de elevada complexidade, contudo, não foi possível retirá-lo do mar”. De acordo com a AMN, as equipas de mergulhadores não conseguiram operar devido à forte rebentação, que inclusivamente, limitava a visibilidade no local.

O acidente ocorreu na segunda-feira de manhã na praia do Meco, quando três cidadãos austríacos praticavam parapente, tendo um deles morrido e os outros dois sido dados como desaparecidos. As duas pessoas desaparecidas integravam um grupo de turistas austríacos que chegou a Portugal na semana passada para a prática da modalidade de parapente. O acidente ocorreu quando uma mulher aterrou numa praia do Meco, muito perto da água, tendo sido arrastada para o mar, juntamente com o parapente. Dois outros austríacos do mesmo grupo, que tinham aterrado pouco antes no mesmo local, foram em socorro da mulher, mas acabaram, também eles, por ser arrastados para o mar.

O corpo de uma das três vítimas foi encontrado ainda na segunda-feira, mas já sem vida. Contactado pela agência Lusa, o embaixador da Áustria em Portugal, Robert Zischg, lamentou o acidente e disse que a embaixada estava a acompanhar a situação, tendo disponibilizado “dois funcionários para acompanharem o grupo de turistas austríacos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)