Museu Nacional De Arte Antiga

Pintura de Álvaro Pires de Évora cedida por colecionadores ao Museu de Arte Antiga

304

"A Virgem e o menino com dois anjos" do português Álvaro Pires de Évora foi cedida ao Museu Nacional de Arte Antiga pelos colecionadores Maria Inês e João Soares da Silva.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A obra “A Virgem e o menino com dois anjos”, criada pelo artista português Álvaro Pires de Évora, no início do século XV, foi cedida em depósito ao Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, por dois colecionadores.

De acordo com o MNAA, a obra vai ser apresentada aos jornalistas na quinta-feira, no museu, depois de há menos de um mês ter sido revelada “A Anunciação”, do mesmo pintor, incorporada no acervo do MNAA, após a compra em leilão, em Nova Iorque.

“A Virgem e o menino com dois anjos”, criada entre 1425 e 1430, foi depositada no MNAA “por generosa iniciativa” dos colecionadores Maria Inês e João Soares da Silva, segundo um comunicado do museu. Trata-se de uma peça realizada na mesma oficina de inícios do seculo XV, e “apresenta a delicadeza de desenho, a limpidez de colorido e elegância de composição que caracterizam bem o estilo do pintor português, já na última fase da sua carreira”, acrescenta o mesmo comunicado.

Em março, quando foi apresentado o quadro “A Anunciação”, na presença do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a tutela indicou que esta peça, “pelos valores envolvidos em todas estas operações [relacionadas com o leilão], [será] uma das maiores incorporações de bens artísticos nas coleções nacionais de que há memória, desde a Implantação da República”.

O quadro foi adquirido pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque, em fevereiro, por 280 mil euros, tornando-se a primeira obra deste artista a entrar na coleção daquela entidade, e foi colocada na mesma sala dos Painéis de São Vicente, atribuídos a Nuno Gonçalves.

A pintura foi comprada por 350 mil dólares (280 mil euros), num leilão da Sotheby’s, em Nova Iorque, em fevereiro, com o apoio do Grupo dos Amigos do MNAA, e passou a estar em exposição permanente no museu.

Parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, “A Anunciação” passou a ser a segunda pintura conhecida do autor em Portugal, depois de “A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação”, que pertence ao acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Alertado para o anúncio do leilão pela direção do museu e pela Direção-Geral do Património Cultural, o ministro mandou publicar um despacho em que foi possível mobilizar 250 mil euros das verbas do Fundo de Fomento Cultural para licitar a obra. A este valor, viriam a ser acrescentadas as custas inerentes às comissões de venda, no valor de cerca de 90 mil euros, saídas das verbas da DGPC, num “esforço financeiro do Estado [que] correspondeu a 90% dos valores envolvidos na aquisição”, disse, na altura, o ministro.

Para perfazer os restantes 10% da totalidade, o Grupo de Amigos do MNAA contribuiu com 25 mil euros e foram ainda mobilizados, pela direção do museu, cerca de seis mil euros que sobraram da campanha de angariação de fundos para a aquisição da “Adoração dos Magos” de Domingos Sequeira.

Também em fevereiro, foi leiloada, em Lisboa, pela Cabral Moncada Leilões, outra pintura do mesmo autor, “São Cosme”, por 75 mil euros, que acabou por ser comprada por privados, mas que se encontra em vias de classificação pelo Estado.

Álvaro Pires de Évora, pintor que nasceu em Portugal na primeira metade do século XV, viveu quase toda a sua vida em Itália, está documentado na região da Toscana, em Itália, entre 1411 e 1434, começando pela sua integração num grupo de pintores florentinos encarregados de pintar a fachada do palácio del Ceppo, em Prato, pertencente ao mercador e banqueiro Francesco Datini.

Português de nascimento, mas artisticamente enquadrado na pintura italiana da Renascença, os especialistas desconhecem as razões para a sua ida para aquele país, numa altura em que a pintura apenas despontava em Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Governo

Um propósito nacional /premium

Sebastião Bugalho

A distância do governo a qualquer reforma não parece afugentar votos; antes pelo contrário. Apesar de ter a maior das simpatias pela natural aversão do Homem à mudança, temo que isso seja um problema.

Joana Marques Vidal

Eles atreveram-se /premium

Rui Ramos

O governo pôde sanear a Procuradora-Geral da República porque a oligarquia política está finalmente em sintonia e porque, acima de tudo, aprendeu a desprezar os portugueses.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)