Liga dos Campeões

Ufffff! Real sofreu a bem sofrer, perdeu (1-3) com a Juventus em Madrid, mas penálti de Ronaldo no último minuto resolve

951

Pela oitava temporada consecutiva os madrilenos chegam à meia-final da Liga dos Campeões.

OSCAR DEL POZO/AFP/Getty Images

Em Turim, foi da bicicleta de Cristiano que se falou e falou durante a semana. E o Real derrotou a Juventus por um resultado tão volumoso (0-3) que a reviravolta parecia coisa impossível. Mas o “impossível” quase aconteceu no Santiago Bernabéu. E depois da bicicleta, os blancos estiveram perto, muito perto de ir de “vela” uma semana depois. Acabaram por eliminar a Juventus de empurrão. Um empurrão polémico. Lá chegaremos.

Logo ao segundo minuto, a Juventus marcava: Khedira cruza desde a direita e Mandzukic cabeceia ao segundo poste. Os italianos (talvez motivados pelo histórico da Roma contra o Barcelona ontem) insistiam na fórmula. E continuavam a atacar pela direita, não acertando com os cruzamentos como naquele minuto dois. Quando enfim o acerto chegou, ao minuto sete, Navas defendeu o desvio de Higuaín. Os da casa, sentindo-se ameaçados, reagiram.

Ao minuto 10, Buffon defende o primeiro remate de Bale. Na recarga, o avançado galês tenta bater Gigi de calcanhar mas acerta na malha lateral da baliza. Voltaria o guarda-redes da Juventus a ser decisivo ao minuto 13. Ele e o árbitro auxiliar. Ronaldo dribla Benatia, remata forte, Buffon defende para a frente mas não defenderia a recarga vitoriosa de Isco. Michael Oliver não tardaria a anular o golo por fora-de-jogo do espanhol. Por fim, ao minuto 34, outra vez o Real Madrid a insistir, outra vez Buffon a resistir. Todos esperavam que Ronaldo avançasse mas não avançou, desmarcando, antes, Isco nas costas da defesa.

A defesa do quarentão da baliza bianconeri é imperial.

Antes do intervalo, a Juventus adensaria a trama e chega ao segundo. Um golo à imagem do primeiro: cruzamento à direita (agora de Lichtsteiner) e Mandzukic desviaria ao segundo poste, batendo Navas.

No recomeço, esteve sempre mais perto a Juve do terceiro (e de empatar a contenda) do que o Real, temeroso, de resolver o que se complicava. Primeiro, a ameaça, ao minuto 59: remate pronto de Higuaín à entrada da grande área e defesa apertada de Navas. Depois, a consumação: Douglas Costa cruza à direita, o minuto era o 61, Navas compromete com uma fífia descomunal, solta a bola depois e a ter segura, e Matuidi desvia para o terceiro golo da Juve.

O Real ainda tentaria o golo da ordem. Foi ao minuto 78. Remate de Isco à entrada da área, a bola desviou em Benatia, e Buffon estica-se todo para defender rente ao poste esquerdo. Que defesa foi! O prolongamento era já ali. Mas não foi.

Ao minuto 93, o derradeiro, Vázquez (assistido de cabeça por Ronaldo) surge na pequena área. Benatia surge atrás do espanhol, tenta disputar a bola e toca Vázquez. Michael Oliver nem hesitou: prrriiiii, penálti! (Vendo e revendo o lance, o penálti é “puxadinho” e o empurrão, a haver, quase inexistente…) Na confusão que se seguiria, Buffon protestou e acabaria expulso naquele que foi o seu derradeiro jogo na Champions. Ao minuto 97, imune à pressão, Ronaldo coloca a bola na “gaveta” e o Real na meia-final.

O sorteio das meias-finais da Champions League está marcado para esta sexta-feira, às 12h00, na sede da UEFA, em Nyon. Os semi-finalistas são já conhecidos: Real Madrid, Bayern de Munique, Liverpool e Roma.

Ronaldo: “Equipa sofreu e deverá tomar como uma lição”

Cristiano Ronaldo admitiu que a equipa do Real Madrid sofreu muito e que deverá tomar como uma lição a derrota frente à Juventus, apesar de ter seguido em frente na Liga dos Campeões de futebol.

“Foi um jogo em que sofremos muito e que deverá nos servir de lição para que saibamos que, no futebol, nada é de graça e é preciso batalhar até ao fim”, disse o internacional português à beIN Sports espanhola, após o final do jogo que o Real Madrid perdeu por 3-1, seguindo em frente na competição graças ao golo apontado pelo luso na conversão de um penálti já em tempo de descontos.

Ronaldo salientou ainda que o Real poderia ter marcado em diversas ocasiões, “mas Buffon e os outros jogaram muito bem”.

Penso que nos qualificámos logicamente, tivemos muitas ocasiões. Não compreendo porque (jogadores da Juventus) protestaram com o penálti. Se o defesa não a tivesse cometido (falta), o Lucas teria marcado, ele é carregado por trás. Durante o jogo, Benatia e os outros cometeram muitas faltas por trás, é a maneira deles de jogar”, afirmou em relação à grande penalidade assinalada contra a Juventus.

Sobre o penálti que marcou referiu: “As pulsações estavam algo elevadas, mas tentei me tranquilizar, porque sabia que seria decisivo. Graças a Deus marquei e estamos apurados.” O Real Madrid apurou-se nesta quarta-feira para as meias-finais da Liga dos Campeões, apesar de ter perdido por 3-1 na receção à Juventus, valendo ao bicampeão europeu o triunfo 3-0 que trouxe de Turim da primeira mão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)