No seguimento do comunicado que já tinha emitido na passada terça-feira, a propósito do momento mais conturbado que o clube vive, a Sporting SAD enviou esta quinta-feira a convocatória da Assembleia Geral de Obrigacionistas, que se realizará no próximo dia 4 de maio, a partir das 18 horas, no auditório Artur Agostinho em Alvalade.

De acordo com a convocatória, assinada pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral da SAD, João Sampaio, existe um ponto único que visa “deliberar sobre a modificação dos termos e condições das Obrigações e, em particular, a alteração da respetiva data de reembolso de 25 de maio de 2018 para 26 de novembro de 2018, com alteração das cláusulas ‘Prazo do Empréstimo’ e ‘Reembolso’ da Ficha Técnica”. Na proposta apresentada, a sociedade pagará juros nesse período.

Sporting tem um problema para resolver. E não é de liderança. Chama-se empréstimo obrigacionista

“Que os demais termos e condições das Obrigações se mantenham inalterados, designadamente no que concerne ao pagamento de juros, os quais continuarão a ser devidos, calculados e pagos até à nova data de reembolso acima referida nos atuais termos e condições da Ficha Técnica, razão pelo que haverá lugar ao normal pagamento semestral de juros, em 25 de maio de 2018 e em 26 de novembro de 2018″, explica a proposta de deliberação que será apresentada aos Obrigacionistas no ponto 3. “Que a alteração da data de reembolso e do prazo do empréstimo ora proposta fique sujeita a prévia autorização da Assembleia Geral e a aprovação pelo Conselho de Administração da Emitente, com o parecer favorável do Conselho Fiscal, em conformidade com o disposto no artigo 8.º, n.º 2, dos Estatutos da Emitente”, completa.

“Com efeito, é intenção do Conselho de Administração da sociedade que o reembolso das Obrigações seja efetuado com os fundos obtidos no âmbito de uma nova oferta pública de subscrição de obrigações, no valor de 30 milhões de euros, cuja emissão deverá ter lugar no último trimestre de 2018″, adianta ainda a proposta. “O Conselho de Administração considera que o período previsto para a nova oferta pública de subscrição de obrigações é o mais adequado”, acrescenta.