Portugal é o segundo país da União Europeia onde a perceção sobre a integração dos imigrantes é mais positiva, revelou esta sexta-feira um estudo publicado pelo Eurobarómetro. De acordo com o estudo, cujo trabalho de campo foi realizado em outubro de 2017, a perceção portuguesa sobre a integração dos imigrantes na sociedade suplanta largamente a média europeia, fixada nos 54% e 77% dos portugueses consideram que a integração dos imigrantes é bem-sucedida, um número só superado pela Irlanda (80%).

A sondagem indica ainda que os cidadãos portugueses estão entre aqueles que mais defendem que a inclusão com sucesso dos imigrantes na sociedade é um processo de dois sentidos. Para 83% dos portugueses, a inclusão bem-sucedida é uma responsabilidade partilhada entre sociedade e imigrantes, uma ideia que, a nível comunitário, é partilhada apenas por 69% dos cidadãos.

O estudo “Integração de imigrantes na União Europeia” dá ainda conta que os portugueses acreditam que fomentar a sua inclusão é um investimento necessário a longo prazo para o país (85% contra 69% da média comunitária), e que consideram que a imigração é mais uma oportunidade (32%) do que um problema (26%). Entre as medidas para apoiar a integração dos imigrantes, os portugueses, em linha com a opinião comunitária, apontam a inscrição dos filhos destes na pré-escola (97%), a melhoria ou introdução de programas de integração (92%), ou a oferta de cursos de línguas (91%) como os principais mecanismos de apoio.

A sondagem do Eurobarómetro baseou-se em 28.080 entrevistas a nível europeu, 1.099 das quais em Portugal.