Rádio Observador

Companhias Aéreas

Ryanair vai contratar tripulantes de cabine em Portugal para bases europeias

A Ryanair está a contratar em Portugal, durante abril e maio, tripulantes de cabine para as suas bases europeias, decorrendo esta sexta-feira no Porto a primeira de dez sessões de recrutamento.

JOSE COELHO/EPA

A Ryanair está a contratar em Portugal, durante abril e maio, tripulantes de cabine para as suas bases europeias, decorrendo esta sexta-feira no Porto a primeira de dez sessões de recrutamento, anunciou a companhia aérea. Em comunicado, a companhia aérea de baixo custo irlandesa – cujas condições de trabalho em Portugal têm sido contestadas pelo sindicato que representa os tripulantes – informa que “não é necessária experiência prévia” e que “será providenciada formação completa” aos candidatos selecionados, que, após terem completado com sucesso a formação, ficarão localizados numa das bases europeias da Ryanair.

O recrutamento será feito pelo responsável pelo recrutamento de novos talentos da Ryanair, Mark Duffy, em parceira com o Crewlink, ao longo de dez sessões a decorrer entre esta sexta-feira e 25 de maio nas cidades de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Ponta Delgada. A primeira sessão decorre já esta sexta-feira, no Porto, estando marcadas para esta cidade mais três datas de recrutamento, em 27 de abril, 11 e 25 de maio. Em Lisboa, as sessões de recrutamento decorrem a 16 de abril, 04 e 18 de maio, enquanto em Ponta Delgada serão a 10 de abril, em Faro a 26 de abril e no Funchal a 15 de maio.

A Ryanair não revela quantos tripulantes pretende contratar em Portugal. Atualmente com mais 9.000 tripulantes de cabine, a Ryanair aponta como “motivos para se juntar à equipa” da companhia a formação gratuita, subsídio de formação, uniforme gratuito no primeiro ano e subsidiado no segundo, prémio de assinatura de 750 euros e salário-base “competitivo”. Destaca ainda a atribuição de bónus de produtividade, o pagamento das horas em serviço/bónus de vendas, o salário com objetivos atingidos entre 17.000 e 23.000 euros no primeiro ano, as “oportunidades de progressão de carreira fantásticas e o contrato de “dois anos garantidos com oferta de contrato permanente a partir desse momento”.

Também referida pela companhia é a “grande variedade” de bases para escolha, o “horário estável” de cinco dias de trabalho com três dias de descanso, os bilhetes “com condições especiais” para colaboradores e a “segurança de trabalhar para uma companhia aérea com estabilidade financeira”. A Ryanair tem estado envolvida numa polémica desde a greve dos tripulantes de cabine em Portugal por ter recorrido a trabalhadores de outras bases para minimizar o impacto da paralisação em Portugal.

Ainda na quarta-feira, a presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) considerou “uma ideia muitíssimo boa” ir a tribunal, depois da Ryanair ter admitido a possibilidade de processar o sindicato. “Até acho muito bem que todos vamos a tribunal dirimir este problema em conjunto. Acho que foi uma ideia muitíssimo boa e estamos preparados para isso, com toda a certeza”, referiu à agência Lusa, Luciana Passo, depois de o presidente executivo da transportadora irlandesa ter admitido naquela manhã um processo face às “falsas alegações” dos sindicalistas.

“Se calhar até é um sítio, onde com toda a lisura, e naturalmente face à Justiça e dentro de um tribunal podemos mostrar todas as irregularidades, podemos demonstrar todos os atropelos e fazer a Ryanair a defesa que entender e demonstrar que nós próprios estamos errados e que os tripulantes estão errados”, acrescentou. Michael O’Leary, CEO da companhia aérea de baixo custo, tinha admitido à Lusa processar o sindicato de tripulantes se continuar com as “falsas alegações” de violação da lei portuguesa, no âmbito da recente greve de trabalhadores de bases nacionais.

Desde o início da paralisação de três dias, no período da Páscoa, que o SNPVAC acusou a companhia aérea de violar a lei portuguesa, ao substituir trabalhadores em greve, incluindo com ameaças de despedimento. A dirigente sindical considerou ainda que a transportadora “está a dar a volta à questão”, até porque tem referido a possibilidade de aumentos salariais ao sindicato.

“Ninguém pediu nesta altura aumentos, o que se pediu foi que a lei portuguesa, estando os tripulantes a trabalhar em território nacional, iria ser uma garantia” em questões como baixas médicas. “E que não iriam insistir na coação e na intimidação quando os objetivos de vendas não eram atingidos e que a lei da parentalidade iria ser cumprida quando o tripulante assim o entendesse”, elencou a dirigente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)