O treinador do Boavista disse esta sexta-feira que o encontro com o Desportivo de Chaves, no sábado, para a 30.ª jornada da I Liga de futebol, “pode ser empolgante”, porque as duas equipas, tendo “estilos diferentes” partilham “ideias positivas”.

“Acima de tudo, queremos ganhar”, frisou Jorge Simão, na antevisão desse jogo entre duas equipas com 37 pontos. O encontro será no Estádio do Bessa, no Porto, onde o Boavista conseguiu 29 dos seus pontos, mas o técnico dedicou as suas primeiras palavras ao desempenho ‘axadrezado’ fora de portas, para “desmistificar esta questão”.

“O Boavista, nesta jornada, tem mais pontos do que alguma vez teve desde o seu regresso à I Liga e mais golos do que na época passada”, à mesma jornada, destacou Jorge Simão. O treinador prosseguiu a sua análise comparativa referindo que apenas duas das equipas situadas entre o quinto e o 12.º lugar, o Marítimo e o Portimonense, fizeram mais pontos do que o Boavista nos últimos dez jogos.

“Relativamente a todas as outras equipas deste pelotão composto por oito equipas, nos últimos dez jogos, ganhámos pontos. Isto serve para desmistificar de uma vez para todos a questão dos jogos fora. Não estou a dourar a pílula, são factos”, salientou.

Jorge Simão fechou este ponto dizendo que o Boavista, à 29.ª jornada, está na sua “melhor campanha” desde que voltou à I Liga” e que tem ouvido “palavras de regozijos” dos adeptos pela forma como a equipa joga.

O treinador também comentou a ideia de que o Boavista é, essencialmente, “uma equipa de combate, agressiva e das faltas”. “De uma vez por todas, têm de olhar para nós como uma equipa que não é só isso e que tem uma preocupação clara em jogar um futebol positivo, para ganhar, e de uma forma que empolgue e divirta os nossos adeptos”, sublinhou.

Com estas considerações, Jorge Simão quis “ressalvar o mérito da campanha” que, em sua opinião, o Boavista tem realizado, até por comparação com “equipas com outro tipo argumentos”. “Mas este é um clube que nos vai habituando a fazer muito mais com menos”, vincou.

O encontro marcado para sábado opõe duas equipas com “estilos diferentes, mas empolgantes”, o que levou Jorge Simão a mostrar-se convicto de que “pode ser um jogo empolgante”. “Isso não tem a ver com o número de golos que se marquem. Tem a ver com o estilo de uma e de outra equipa. Estilos diferentes, mas ambas com ideias muito claras e positivas do jogo”, considerou.

Sobre a ideia de que o Boavista, como aliás o Chaves, ocupa um lugar confortável na tabela classificativa, Jorge Simão sustentou que sentir conforto é o “primeiro passo para o relaxamento”. O Boavista, frisou, mantém-se na luta pelo seu objetivo inicial, que é “fazer mais e melhor” do que fez nos campeonatos anteriores

“Posso assegurar que não vou permitir que haja esse relaxamento e amanhã [sábado] e no que se seguirá vamos estar no máximo”, afirmou. O Boavista não pode contar com o central brasileiro Rossi e com o médio defensivo e capitão Idris, ambos castigados, e o central Henrique ainda está em dúvida devido a um problema muscular num gémeo.

O atacante Yusupha, que se lesionou há quase um mês, frente ao FC Porto, na 27.ª jornada, está convocado, anunciou Jorge Simão. O Boavista, sétimo classificado, com 37 pontos, e o Desportivo de Chaves, oitavo, com igual pontuação, defrontam-se no sábado, às 18h15, no Estádio do Bessa, no Porto, num encontro da 30.ª jornada da I Liga.