Da parte do Benfica, foi a derrota em casa com o Sporting; no lado do FC Porto, foram os empates em Avanca e na receção ao ABC. Um clássico é sempre um clássico mas, na atual conjuntura, este era mais do que um clássico: só o vencedor poderia continuar a sonhar com o título. E os encarnados acabaram por ser melhores, vencendo os azuis e brancos por 34-27 na quarta jornada da fase final do Campeonato e isolando-se no segundo lugar.

Os encarnados começaram melhor, com pequenas vantagens num jogo onde os ataques estiveram particularmente inspirados com um total de 33 golos até ao intervalo. A meio da primeira parte, e pela primeira vez, o FC Porto ainda passou para a frente (8-9), mas rapidamente foram os comandados de Carlos Resende que reassumiram o controlo da partida e terminaram de forma inspirada, com um parcial de 4-0 que deu uma vantagem de três golos ao intervalo (18-15). No último minuto, ainda assim, as águias perderam uma unidade importante: Paulo Moreno, com uma entrada mais imprudente sobre Miguel Martins, acabou por ver vermelho direto.

No segundo tempo, as defesas subiram ligeiramente o seu rendimento e houve menos remates certeiros, mas a vantagem de quatro/cinco golos conseguida pelos visitados nos primeiros minutos acabou por ser fundamental para controlar a partida beneficiando ainda de uma grande entrada do guarda-redes Miguel Espinha. Os dragões, onde nem o gigante Quintana conseguiu fazer a diferença na baliza, estiveram mais uma vez muito longe do rendimento que têm vindo a apresentar nos últimos anos, não só em termos ofensivos mas sobretudo no plano defensivo. Aos 50′, o Benfica vencia por seis golos (27-21) e tinha uma margem mais do que confortável para gerir, de tal forma que, com um golo de Ales Silva nos últimos dez segundos, conseguiu no final a maior vantagem do jogo.

Belone Moreira, com dez golos e uma eficácia de remate de 77%, foi a grande figura do encontro, seguido do lado dos encarnados por João Pais (cinco) e Alexandre Cavalcanti (quatro). Angel Hernández acabou como o melhor marcador dos azuis e brancos com sete golos, mais dois do que Miguel Martins.

Com este triunfo, o Benfica passou a somar 46 pontos, menos quatro do que o campeão Sporting que, antes, tinha recebido e goleado o Avanca por 30-21. Nas duas próximas rondas, os rivais lisboetas têm deslocações complicadas, com os leões a defrontarem o FC Porto e o ABC, ao passo que as águias jogarão com o ABC e o Madeira SAD. Na jornada seguinte, há dérbi no Pavilhão João Rocha. Do lado dos dragões, e com os 44 pontos que somam agora, ainda é matematicamente possível chegar ao título mas as contas estão muito complicadas para a equipa de Lar Walther, que somou apenas um triunfo em quatro jogos na fase final (Madeira SAD, 29-18).

“Quando se vence e de forma tão categórica temos de dar os parabéns aos jogadores, que tiveram um esforço titânico contra uma belíssima equipa. Na primeira parte tivemos muito bem no ataque, depois conseguimos melhor também um pouco na defesa. Temos muita gente a falar que o FC Porto tem uma equipa poderosa, que o Sporting tem uma equipa poderosa mas nós também temos. Agora é continuar a ganhar e esperar que o Sporting também perca”, comentou Carlos Resende, treinador do Benfica, na flash interview da BTV.