Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Dragão Caixa recebia esta tarde uma espécie de tira-teimas do clássico de hóquei em patins: na Luz, o Benfica tinha ganho por 6-2 no Campeonato e por 3-2 na primeira mão dos quartos da Liga Europeia; no Porto, os azuis e brancos golearam por 9-2 na segunda mão dos quartos da Liga Europeia, garantindo assim a passagem à Final Four da principal prova europeia da modalidade. Mais uma vez, confirmou-se o fator casa e os dragões bateram os encarnados por 5-2, num encontro a contar para os quartos de final da Taça de Portugal.

Depois da entrada desastrada na última semana, onde os visitados ganhavam já por 5-0 antes dos primeiros dez minutos, esperava-se que os comandados de Pedro Nunes tivessem uma outra postura logo desde o minuto inicial. No entanto, os primeiros quatro minutos acabaram por ser quase um remake da partida da Liga Europeia: o Benfica tentou subir a pressão defensiva, João Rodrigues viu o cartão azul logo aos 40 segundos, Rafa inaugurou o marcador quando o power play estava a terminar e Gonçalo Alves, na sequência de um grande passe de Hélder Nunes (que falhara o livre direto, com defesa de Pedro Henriques), fez o 2-0.

Ainda assim, a “cavalgada” da equipa de Guillem Cabestany terminou por aí, com os encarnados a conseguirem serenar o encontro que entrou numa toada de grande equilíbrio e que reflete melhor o equilíbrio qualitativo entre os dois conjuntos. E seriam mesmo os visitantes a apontarem o 2-1, num contra-ataque conduzido por Nicolia e concretizado por Jordi Adroher, num lance onde os dragões ficaram a protestar um domínio com o patim (9′).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O jogo iria para o intervalo com essa vantagem pela margem mínima dos azuis e brancos, mas não demoraria até haver golos no segundo tempo: após um cartão azul a Nicolia (desta vez, muito protestado pelo banco das águias), Hélder Nunes foi de novo apontar o livre direto e fez um golo de génio, sem hipóteses para Pedro Henriques (29′). Uns minutos depois, uma fotocópia desse momento: azul desnecessário para Adroher, que impediu Reinaldo Garcia de sair para o contra-ataque, livre direto para o capitão dos dragões e 4-1 com 34 minutos de jogo.

Carlos Nicolia, num livre direto após a décima falta do FC Porto, ainda teve uma oportunidade de ouro para recolocar o Benfica na luta mas Nelson Filipe, com a máscara, conseguiu travar a bola parada do argentino. Os dragões, que antes tinham eliminado o Sporting no Pavilhão João Rocha após grandes penalidades e a Oliveirense, controlaram o resultado até final e confirmaram mais um triunfo sobre os encarnados, que tiveram ainda boas oportunidades por Tiago Rafael e Jordi Adroher. Aos 45 minutos, Miguel Rocha, na sequência de uma saída rápida bem gizada, reduziu para 4-2 mas, no minuto seguinte, Hélder Nunes fez o hat-trick e o 5-2 final.

FC Porto afasta Sporting da Taça nos penáltis no melhor jogo da época de hóquei em patins

Assim, o FC Porto, que venceu as duas últimas edições da Taça de Portugal (frente a Benfica e Sp. Tomar), parte como principal favorito para a Final Four da competição, onde irá defrontar nas meias-finais o Riba d’Ave, que venceu este sábado após prolongamento na receção ao Valença por 5-4. O outro encontro terá frente a frente o Sp. Tomar, que foi ganhar à Maia por 7-2, e o vencedor da partida entre Marinhense e Valongo (21 horas).

“Só podemos estar contentes, treinadores, staff, jogadores, clube e adeptos. Foi um jogo mais difícil do que a anterior, uma goleada podia relaxar um pouco os jogadores mas estiveram muito bem. Temos de continuar a trabalhar porque ainda não ganhámos nenhum título e estou convencido que vamos conseguir os nossos objetivos. Era normal que não houvesse tantos golos, porque na semana passada é que foi estranho”, comentou Guillem Cabestany, treinador dos azuis e brancos, na flash interview do Porto Canal.