Rádio Observador

Monumentos

Cerca de 600 eventos celebram o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios na quarta-feira

149

A data é celebrada na quarta-feira, sob o mote "Património Cultural: de Geração para Geração", prevendo-se cerca de 600 atividades, organizadas por 540 entidades em 160 concelhos.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios é celebrado na quarta-feira, sob o mote “Património Cultural: de Geração para Geração”, prevendo-se cerca de 600 atividades, organizadas por 540 entidades em 160 concelhos, divulgou a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Entre visitas guiadas, exposições, concertos, roteiros culturais, a DGPC prevê uma adesão de 100 mil pessoas às diferentes iniciativas.

A celebração, cujo mote foi dado pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS), acontece em pleno Ano Europeu do Património Cultural, para o qual a respetiva plataforma eletrónica regista “mais de 800 atividades programadas”.

Para a DGPC, estes números refletem a “ampla adesão do setor público e privado” à programação do ano Europeu do Património Cultural.

“A filosofia subjacente à celebração do Ano Europeu do Património Cultural em Portugal radica no envolvimento da sociedade civil à escala local, regional e nacional, cobrindo o vasto leque do património cultural”, afirma a DGPC, que define o seu papel, que é “o de lançar as bases para transformar esta celebração europeia num projeto altamente participado, com um programa aberto e em permanente atualização, desde 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2018”.

A DGPC detalha, referindo as “mais de 800 iniciativas”, “até agora em 81 municípios”, destacando as previstas 257 visitas livres/orientadas e rotas patrimoniais, os 161 encontros e congressos, 122 exposições, 108 ateliês, 77 espetáculos e “muitas outras iniciativas, como lançamentos de publicações, festivais, campanhas de informação, animações de rua, concursos, recriações históricas, atividades de investigação, projetos digitais, documentários/filmes e sessões de leitura”.

Os eventos no âmbito do Ano Europeu deverão contar com “mais de 250 mil participantes”, estima este organismo.

Relativamente ao Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que é comemorado na quarta-feira, a DGPC afirma que “o conceito” do mote – “Património Cultural: de Geração para Geração” – “assenta na própria definição de património cultural, enquanto legado de artefactos e construções físicas e atributos intangíveis de um grupo ou sociedade, herdados de gerações passadas, mantidos no presente e transmitidos para o benefício de gerações futuras”.

O propósito, lembra a DGPC, é “reforçar a consciência da necessidade de preservação do património, assente no pressuposto de que é necessário conhecer para preservar e preservar para transmitir é, por isso, tarefa fundamental num presente assombrado por contradições e incertezas, em que a cultura pode constituir um capital fundamental para um futuro mais justo e mais diverso”, o que aliás a diretora-geral, Paula Araújo da Silva, tem afirmado em várias ocasiões, designadamente na cerimónia de apresentação do Ano Europeu, em setembro último, no Museu de Arte Popular, em Lisboa.

A DGPC, “em colaboração com o ICOMOS Portugal”, traça a sua missão: “Promover a divulgação deste tema com a finalidade de impulsionar o diálogo intergeracional enquanto ferramenta de conhecimento, de desenvolvimento e de diversidade”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)