Dizer que as feministas são histéricas, mal amadas ou que não gostam de homens são alguns dos insultos mais comuns, explica ao Observador Patrícia Motta Veiga. A autora do livro Afinal as Feministas até Gostam de Homens, da editora Manuscrito, demorou dois anos a terminar a obra, de maneira a reunir informação e factos que pudessem destronar opiniões infundadas. Ao longo de 228 páginas de muito humor, a também autora de mais de 100 crónicas, artigos e entrevistas feitas para o site feminista Capazes explica o que é o feminismo, destrói mitos e apresenta dados que ajudam a espelhar a desigualdade entre homens e mulheres que ainda existe na sociedade ocidental.

“Nós somos fruto da sociedade [em que vivemos] e da forma como somos educados. Vivemos num mundo machista e sob o poder patriarcal, isso é inquestionável. Por isso é que a violência sexual sobre as mulheres é muitíssimo maior do que aquela sobre os homens, por isso é que as mulheres ganham menos e são mais responsabilizadas pelas tarefas domésticas e pelo cuidar da família. A noção de que vivemos num mundo dominado pelo poder patriarcal não é uma questão de opinião”, diz em entrevista ao Observador.

O livro está à venda por 15,50 euros (editora Manuscrito). © Divulgação

O livro encara o feminismo de uma forma bem-humorada. Apesar de não se apresentar enquanto texto científico, resulta de uma “investigação profunda”. De que tipo de investigação se tratou?
É mais fácil usar o humor para desconstruir mitos. Essa é a tónica, o registo do livro. Mas, naturalmente, quando estamos a falar de um tema sério, de direitos humanos, de um assunto que envolve qualidade de vida, temos de usar factos, temos de investigar aquilo que se passa no país e correlacioná-lo com o mundo. Até porque é a melhor resposta para quem constantemente desacredita o feminismo. Vamos discutir opiniões e mostrar factos.

Quanto tempo demorou a investigação?
Há dois processos aqui. De início achei que fosse muito mais fácil fazer o livro, precisamente porque não pensei que fosse preciso ir tão fundo na investigação. Ou seja, há um processo pessoal de evolução e conhecimento daquilo que está ligado à causa — um processo que já dura há muitos anos — e, depois, há dois anos de muito trabalho no livro. Há muitas coisas que mesmo quem lida com esta questão todos os dias não é absolutamente conhecedor. Não conhecemos os processos, não conhecemos o número de vítimas por ano de violência doméstica ou de abuso sexual, não relacionamos todos esses números com extratos académicos. Conforme fui entrando na temática do livro e pensando nos temas, senti a necessidade de documentar e isso levou dois anos. Depois há toda uma consciência feminista que existe há 20.

O machismo é um conceito que defende que os homens são superiores às mulheres, que são mais fortes, mais capazes e é a eles que cabe a liderança social, familiar e política. Que recusa a igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres. O machismo objetifica a mulher e pretende dominá-la. O machismo é contra as mulheres, mas o feminismo não é contra os homens.” Pág. 18

O título “Afinal as feministas até gostam de homens” acaba por desconstruir um dos grandes mitos do feminismo. Que mais mitos existem?
O feminismo, enquanto movimento, está erradamente ligado à esquerda. Esse é um dos argumentos usados para nos calarem, para nos tirarem respeitabilidade, isto é, a ideia que é uma causa comunista. Outro argumento é que as feministas são todas lésbicas. Isto acontece porque o feminismo também trata da liberdade sexual. À partida, não se espera ou não se aceita que uma mulher heterossexual tenha necessidade de se empoderar perante um homem. O papel da mulher e do homem na vida íntima está muito bem estabelecido pelo patriarcado. É mais fácil dizer que as feministas não gostam de homens ou que são mal amadas. Há sempre alguma coisa ligada à moral sexual da mulher e à sua conduta sexual. Foi aí que fomos buscar o título do livro — o feminismo não está ligado às preferências sexuais de cada um.

Outro mito é que realmente existem sítios no mundo onde são precisas mudanças, mas não em Portugal, onde já atingimos todos a igualdade de direitos: as mulheres que não ganham melhor ou não têm cargos mais altos porque não querem… É verdade que já há muitas mulheres em cargos de topo, mas a paridade relativamente aos homens é absurdamente distante. O facto de conseguirmos ter três ou quatro mulheres políticas com mais notoriedade diz-nos que já conseguimos fazer alguma coisa que não faríamos, por exemplo, nos anos 1960, mas não nos diz que temos o mesmo número de mulheres e de homens na classe política ou na administração das empresas. Os contra-argumentos das pessoas são opiniões. Por isso é que é precisa investigação para distinguir o que é uma opinião do que é um facto.

O que é, afinal, o feminismo?
O feminismo não é o contrário de machismo. Aquilo que as pessoas pressupõem é que o feminismo pretende pôr as mulheres acima dos homens ou que as mulheres têm uma superioridade biológica, porque são capazes de ser mães, por exemplo. Existe uma corrente no feminismo que defende essa posição, mas o feminismo não é isso. A corrente principal, aquela onde me encontro, diz que as mulheres e os homens têm os mesmos direitos e os mesmos deveres, e devem ser tratados segundo as suas características particulares, independentemente do género. Este é, de facto, um dos grandes dogmas. Toda a gente acha que as feministas pretendem ter homens completamente submissos à vontade das mulheres, o que não é verdade.

De uma mulher espera-se que seja uma mãe-modelo, que tenha sempre tempo para os seus filhos, que os eduque com a compreensão do Mário Cordeiro, com a firmeza do Churchill e a doçura da Pocahontas. Que seja uma chef, claro! Agora está na moda e é sexy perceber de culinária a sério, não uma coisa tipo Maria de Lurdes Modesto, isso é para as sogras, mas mais um entalanço entre o requinte do Avillez e a volúpia da Nigella.” Pág. 27

Além da desinformação que existe, também há um estigma associado ao movimento. Parece que as pessoas ganharam vergonha em dizer que são feministas. Como é que isto aconteceu?
Nós somos fruto da sociedade [em que vivemos] e da forma como somos educados. Vivemos num mundo machista e sob o poder patriarcal, isso é inquestionável. Por isso é que a violência sexual sobre as mulheres é muitíssimo maior do que aquela sobre os homens, por isso é que as mulheres ganham menos e são mais responsabilizadas pelas tarefas domésticas e pelo cuidar da família. A noção de que vivemos num mundo dominado pelo poder patriarcal não é uma questão de opinião. Tudo aquilo que venha baralhar a forma como há séculos e séculos nos entendemos e vivemos é assustador.

Há um grande desconhecimento, uma grande ignorância do que é realmente o feminismo. Há uma mensagem que os media andam há muitas décadas a passar, isto é, a ideia de que as feministas são mulheres aos gritos, que odeiam os homens e que querem eliminar toda a sensualidade e todo o erotismo. Poucas mulheres são capazes de arriscar serem coladas a esse estereótipo. A maior parte das vezes ouvimos mulheres com mais força e mais poder dizer que nunca foram assediadas ou que nunca foram prejudicadas no emprego. Esses “eu nunca” são absolutamente mentira. Não existe mulher nenhuma que, em algum momento da vida, não tenha sofrido qualquer tipo de aproximação menos simpática por parte de um homem. Quando digo menos simpática, digo o piropo à adolescente na rua, a ofensa… Isso acontece porque os homens acham que, só pelo facto de sermos mulheres, têm automaticamente direito à nossa disponibilidade sexual.

Patrícia Motta Veiga, autora de “Afinal as Feministas até Gostam de Homens” © DR

No livro há um capítulo dedicado às “feminazi“. Quais são os insultos mais comuns associados ao feminismo e às feministas?
Histéricas é o mais conhecido em Portugal. Todas as nossas demonstrações de poder, e de todas as vezes que tentamos fazer valer a nossa voz, somos ridicularizadas. Isto é histórico. Também há muito aquela ideia de que uma feminista não é capaz de ter uma relação convencional, o que é absolutamente errado. A feminista defende que cada um faz o que quer com o seu corpo e com a sua vida íntima. Há muitos insultos porque somos uma sociedade muito tradicional. São sobretudo insultos para desacreditar a nossa moral sexual.

As mulheres são realmente as maiores inimigas delas mesmas, as suas e as das suas congéneres. Muito mais do que os homens, condenam comportamentos sem perceber minimamente de onde é que eles vêm, e nunca vi um homem a dizer que a amiga já não tem idade para usar biquíni ou que aquele cabelo é uma vergonha.” Pág. 37

Qual é a sua opinião sobre a discriminação positiva?
A discriminação positiva pode ser muito importante em alguns sentidos e não temos de ter vergonha dela. Lá está a dificuldade em perceber que fomos vítimas e que a culpa não é nossa. Isso não nos diminui em nada. Relativamente às quotas… Oiço muitas pessoas falarem de meritocracia e de como já há mulheres no topo. É óbvio que já há mulheres no topo, mas a corrida das mulheres e dos homens não é uma corrida que parta do mesmo lugar, isto em situação nenhuma. Tudo isso condiciona obviamente o seu resultado. Se houver uma forma de dar uma pequena vantagem a um grupo que sempre foi desfavorecido…. acho que é uma questão de justiça.

Uma última pergunta: como é que se explica o feminismo aos mais novos?
O feminismo não se explica, vive-se. Educamos as crianças através de tudo aquilo que fazemos, educamos pelo exemplo. Quando temos alguém encarregue de nós, ou estamos encarregues de alguém, a primeira coisa que temos de fazer é olhar para a criança como indivíduo e não como rapaz ou rapariga; aí deixamos cair todos os estereótipos. Devemos mostrar em casa, por exemplo, que não existem trabalhos de homem e trabalhos de mulher — esses exemplos diários dão fruto; não adianta de nada dizer que sou feminista e fazer o jantar todos os dias ou dar direitos a um rapaz que uma rapariga não tem. Não se explica, vive-se.